sonhos, expectativas e realidade.

Eu acho que sonhar é algo inerente à vida humana, mas sou cética. Não acho que quem acredita sempre alcança, como fala a música do Legião Urbana, acho que precisamos estar sempre conectados com a realidade para conseguir traçar planos objetivos que nos façam atingir nossos sonhos, porque, em caso contrário, a fantasia nos consome. Acabamos por não viver o hoje porque estamos sempre presos no amanhã e nos conceitos que criamos sobre como gostaríamos que fosse nossa vida, nos afastando, obviamente, da vida real em si.

Conheço uma mulher que almeja coisas que não possui na esperança de ter outras que a supram. Ela não consegue enxergar, na realidade dela as coisas reais de fato e se aprisionou na ideia de que é uma dona de casa infeliz, sem diversão, escrava de um casamento que não correspondeu aos seus sonhos da juventude. Essa mulher ainda se vê com 25 anos, buscando todos esses sonhos e ainda não conseguiu perceber que o tempo passou,que  ela fez algumas escolhas erradas aqui e ali e que a vida não é mole assim, como a gente pensa. Pra ninguém.

Não é que ela seja vítima do mundo, infeliz e mal sucedida, com ela a coisa fluiu como fluiu pra todo mundo, mas ela estava tão preocupada em ser quem não era e parecer mil coisas para os outros que esqueceu-se de que, para concretizar as coisas, é preciso escolher um caminho e persistir ele e não esperar que tudo se resolva como na novela das 21h00. Hoje essa mulher não se posiciona e não enxerga suas próprias conquistas, amadureceu fisicamente, mas não emocionalmente. Tem crises de ciúme adolescente, surtos emocionais de carência e toma atitudes estúpidas, que afastam as pessoas, numa busca desenfreada de atenção. Ela não é má pessoa, apenas sofre com uma construção de vida da qual não consegue se libertar e nem enxergar a realidade como ela é.

Infelizmente, e eu sei que demoramos a aceitar esse fato,  não podemos ter tudo sempre. Sonhos que não são práticos beiram à loucura e não nos direcionam a lugar algum. A gente precisa construir nossas aspirações a partir do solo que a gente tem e não querer voltar no tempo, ou desejar a vida do outro, ou uma realidade completamente distante da nossa. Eu acho que nunca é tarde para mudarmos de rumo, darmos a volta e fazermos outro caminho, mas esse conceito de que a vida é unicamente uma construção nossa precisa ser quebrado.

Existe sorte sim, acaso sim, e gente que cavou oportunidades de um jeito inesperado, nem tudo é só aquilo que desejamos, buscamos desenvolver e evoluir linearmente. Filho não segura casamento, ensino superior não garante emprego, bom emprego não garante felicidade e ter dinheiro ajuda, mas não é tudo. Precisamos saber lidar com os nossos fracassos, buscar um recomeço e, acima de tudo, sermos palpáveis e gentis com os nossos sonhos.

Pior que gente não realizada é gente que segue a filosofia Xuxa de que “tudo pode ser, basta acreditar.” Tudo pode ser. Basta planejar muito, trabalhar duro e sofrer bastante. Faz parte.

Continue Reading

a menina(o) do trabalho.

Escrever um texto sobre isso, a essa altura do campeonato, sendo eu a autora de cada uma dessas linhas, é a maior ironia do mundo: daquelas que se fazem necessárias.

Nunca achei que fosse admitir, assim, pra burguês ver, mas sabe, nós mulheres temos uma certa insegurança em relação às meninas(os) do seu trabalho. E não posso nem me defender sobre esse tópico, caro amigo, não posso nem dizer que não- tem-na-da-a-ver, que é apenas uma insegurança feminina desmedida. E sabe por que?  Porque eu já fui a menina do trabalho. E estou até hoje com o carinha do trabalho também.

E por já ter vivido os dois lados da coisa, já ter estado com o tal cara do trabalho (comprometido na época) e ter me tornado sua namorada atual (não estou me orgulhando, estou apenas colocando os fatos), fica dificílimo dizer que as mulheres precisam ser fortes, seguras e independentes. Fica complicado dizer que não podemos ter ciúme ou que temos essa necessidade de “encontrar pelo em ovo” porque, né? Às vezes estamos completamente erradas, mas, às vezes… Não.

Passamos a maior parte das nossas vidas no ambiente corporativo. É com as pessoas que trabalhamos todos os dias, de sol a sol, que dividimos (até mesmo que involuntariamente), nossos dramas mais profundos. Falamos mais sobre a nossa vida pessoal e sexual no almoço de meia hora e na mesa do bar de sexta que na sala de terapia. Provavelmente pelo fato de que rir de si e do outro seja um dos remédios mais maravilhosos para qualquer vida média.

Seja do dinheiro que acabou (ou que nunca veio), do gato doente, do cliente maluco ou da cólera que abateu a família, abrimos nossos corações. E, eventualmente, podemos encontrar alguém que queira ocupar aquele vazio latente que todo mundo tem em algum lugar – e que, no meu caso, permanece no estômago. HE HE.

Pode parecer completamente sem noção esse lance de se apaixonar pelo cara do trabalho, é até errado em alguns cenários mais quadradinhos, pode gerar demissões, mal estar, pode acabar com muitas carreiras e tirar o foco daquilo que, afinal, somos pagos para executar das 9h00 às 18h00, mas não sejamos hipócritas.

Se a vida é a arte do encontro, estamos também sujeitos a nos encontrar  pelas firmas e mais firmas desse Brasil.

E, olha, pode ser maravilhoso. Vou te dizer.

Continue Reading

vadias s.a.

 

Desde já vai meu aviso: esse post é polêmico. Se você é muito conservador (a), esqueça. Talvez meus pensamentos te ofendam, talvez você nunca mais volte a ler esse blog novamente. Entretanto, se você está disposto, curioso e com a mente aberta… Fique à vontade. E claro, dê sua opinião. Se tudo o que eu escrevesse fosse certo… Minha vida seria perfeita, não é?

 

Toda mulher é uma vadia em potencial. Das mais castas, às mais soltinhas. Das mais novas, às mais velhas. Das magras, das gordas, das neuróticas às tranquilas; qualquer uma, sem exceção. Algumas enxergam isso e aceitam sua condição. Outras não. Toda a mulher já xingou, mesmo que mentalmente, pelo menos 5 mulheres por coisas que ela mesma já fez. Ou faria. Ou já viu a melhor amiga fazer e achou o máximo.

Toda mulher já chamou outra de gorda. Já achou o marido alheio gato. Todas elas. E isso não significa nada. Apenas que é preciso ponderar antes de sair por aí julgando quem a gente mal conhece. A vadia de hoje, é a sua irmã amanhã. A vadia de hoje, pode ser você. Será provavelmente.

As mulheres são, constantemente, hipócritas. E seus julgamentos tem ligação direta com suas relações pessoais. Se a prima fez, não é tão ruim. Se a atual do ex fez, é terrível, abominável. Como alguém pode ser assim tão desprezível, não é mesmo? Pensamos.

E somos cruéis. Não nos basta apenas pensar o mal, temos que agir contra esses “absurdos”. Temos sede de “justiça”. Queremos que a outra morra, que seus peitos caiam, que a bunda encha de celulite. E maldizemos a piranha até o infinito, não adianta negar. Aquela galinha, maldita, aquela vaca vesga, porca, suja. E por aí vai.

Com o passar dos anos, e conforme vou conhecendo as pessoas, passei a julgar mais e mais rapidamente. Não deixei de cometer meus julgamentos equivocados, muito pelo contrário. Me tornei mais ácida. Mas também predisposta a mudar de ideia se me provarem que não é bem por aí.

Na vida real, ao contrário das ciências exatas, onde conseguimos controlar os resultados, nada é preto no branco. Somos movidos, o tempo todo, pelos sentimentos, pelas circunstâncias e pela razão também, claro. Ou pela falta dela. Todo mundo está sujeito a uma cagadinha aqui ou ali. Todo mundo. E se é assim, porque somos tão pesados ao olhar para quem desconhecemos? Porque não olhamos as situações com a nossa dose de discernimento e filtros que aplicamos àqueles que nos importam?

Sejamos conscientes. Por favor.

E menos cagadores de regras.

Continue Reading

o homem perfeito.

“Eu faria melhor que ele” – ele disse.

Nunca te deixaria sozinha, nunca permitiria que você se sentisse triste.Veria todos os filmes, abriria as portas de todos os lugares e iria em todas as festas que você quisesse. Depilaria o peito, aprenderia a gostar de Martini. Nunca te trocaria pelos meus amigos, largaria até o futebol de sábado à tarde. Eu te daria todos os presentes, bolsas, sapatos, viagens, tudo. Sem você pedir. Eu ficaria horas ouvindo você falar sobre cabelos e celulite, para, no final, continuar afirmando que você é perfeita. Nunca trabalharia até tarde. Nunca te questionaria. E até daquela banda hypster que você adora eu aprenderia a gostar.

Você não ia ter motivos para reclamar, nenhunzinho só, coisa rara. Não saberia sobre o que causar polêmica e não precisaria pensar nem no restaurante que iríamos juntos – homens de verdade, afinal, planejam tudo.

Ainda que eu fizesse de tudo, tentasse tudo, aceitasse, mudasse, me movesse.

Ainda que eu deixasse meus gostos, meus desejos, minhas manias, não daria certo..

Porque na vida a dois tudo funciona assim: quanto mais se tem, menos se deseja.

Continue Reading

quando não estamos prontos.

Há uma grande diferença entre amar e ser capaz de manter um relacionamento. Ao contrário do que mostram as novelas e todos os casos de amor do cinema, cada pessoa tem um ritmo, uma hora certa para que tudo funcione em sincronia. Gostar de alguém não necessariamente significa que a vida à dois terá sucesso.

Não é fácil, encontrar o tom, conviver. Costumo comparar namoros a orquestras, onde as coisas precisam estar muito bem afinadas para funcionar. Se abrir mão, com prazer, dos pequenos vícios e más condutas (que todo mundo tem e sabe disso), te incomoda, talvez ainda não seja a hora de insistir. Talvez você ainda não tenha encontrado maturidade suficiente para estar com outra pessoa.

Aliás, se tem uma coisa que não combina com relacionamentos saudáveis é o sacrifício. O amor é uma das poucas coisas da vida que não exige nada em troca – além de mais amor, é claro.

Quando vivemos com outra pessoa nunca há culpa integral pelos fracassos ou vitória absoluta pelos sucessos. Nem meu, nem seu: é nosso. O nosso sucesso. Relacionar-se exige um desapego de si mesmo, vai além da sua responsabilidade. Não é como comprar uma roupa nova ou ouvir uma boa música: é algo para ser aproveitado com o passar do tempo. Não é imediatista ou efêmero. Relacionar-se diz mais sobre a nossa conduta em relação à vida que sobre os sentimentos em si. É assim que se explicam todos aqueles casamentos duradouros que você conhece nos quais não existe uma gota sequer de amor.

Equilíbrio sempre. Esse é o segredo de todos os negócios.

E mais amor. Por favor.

Continue Reading

As 10 frases do auto-sabotador

Estamos sempre contra a nossa própria felicidade, ainda que involuntariamente. Não sei se é por medo de mudar ou por simples comodismo, mas os seres humanos tendem a justificar  atitudes  nocivas e a não encarar novos desafios. Há aqueles que culpam Deus, o destino ou a sorte, mas o pensamento sabotador é responsável por quase 90% dos relacionamentos mal resolvidos e das infelicidades da vida.

É claro que não existe a fórmula da felicidade ou o encontro imediato do grande amor, mas se transformarmos a nossa forma de pensar já daremos um grande passo à favor de nós mesmos, ainda que não percebamos nenhum efeito imediato quanto à isso. Não é balela: temos mesmo o poder de mudar cada coisinha da nossa vida se começarmos a perceber que somos responsáveis diretos por essa mudança.

Você se considera um auto-sabotador? Se você se identificar com um ou mais pensamentos abaixo, pode ser que seja a hora de rever suas atitudes e parar de, finalmente, reclamar por tamanho “azar”.

1. Deixo sempre para amanhã aquilo que não tenho vontade de fazer nunca;

Por que temos essa mania de procrastinar? Pare já com esse pensamento de funcionário enrolão. Quanto mais tempo evitamos as coisas ruins da vida, mais tempo passamos PENSANDO nessas coisas, sofrendo por elas e acabando com os dias.

2. O que importa é apenas a beleza interior, não preciso me cuidar;

A beleza interior é realmente muito mais importante que todas as outras coisas, mas uma pessoa que não demonstra o mínimo de cuidado consigo mesma não é digna de cuidar de ninguém e passa essa mensagem para todos ao seu redor. Precisamos estar satisfeitos com a nossa aparência e com aquilo que somos, tomar banho todos os dias (já que moramos em um país tropical) e cortar as unhas dos pés e das mãos, ok? NO MÍNIMO.

3. Nunca é tarde para fazer aquilo que se tem vontade…

…até que a rotina nos sugue e não façamos mais nada. Não fique colocando a culpa da não realização dos seus desejos no tempo. Essa é outra coisa que nos faz um pouquinho mais infelizes dia após dia: não concluirmos nenhum sonho, e fingirmos não nos importar com isso. A gente sabe o que importa. A gente sabe que precisa prestar atenção no que tem DENTRO da gente.

4. As pessoas não ligam para quem é inteligente

Preciso comentar esse pensamento ou está absurdamente implícito que é um falso discurso?

5. Não é um gasto, é um investimento

Não se engane. Pare de consumir coisas que sabe que não terão vida útil pelo simples prazer de adquirir. São os gatos com supérfluos que te impedem de economizar e investir naquilo que realmente vale a pena. Você sabe bem do que estou falando.

6. Não importa o que eu faça, nada vai mudar

Ah, não importa? Por que será que todo o final de ano, mesmo sem acreditar em nada, você vai lá, pula 7 ondas, come romã… ZZZzzzZZzzZzzZZzzzZZZZ… Vamos ser a mudança que queremos ver, ok?

7. Se eu tivesse tempo eu faria

Não, não faria. É que as vezes gostamos de nos enganar acreditando que, mais uma vez, é culpa da falta de tempo.

8. Pra que investir em alguma coisa que eu não vou aproveitar agora?

Porque se você nunca se planejar para alcançar grande objetivos nunca ficará feliz de tê-los realizado.

9. Não vou sair de casa porque não é nos bares da vida que se encontra alguém. Só tem gente que não presta na rua.

Tem gente que não presta na igreja, no trabalho, até no cemitério. Se você não se permitir conhecer pessoas, nunca vai encontrar alguma que, finalmente, preste.

10. Trabalho é algo que se faz só pelo dinheiro e não por amor.

Pra maioria das pessoas essa é uma verdade. Mas trabalhar com algo que acredita e que dê retorno pessoal é muito mais importante, leve e gratificante que só trabalhar por dinheiro. Não é fácil, mas vale tentar.

Todos entenderam o recado?

Continue Reading

onde estão os verdadeiros príncipes?

Sempre levei comigo um grande medo na vida, maior que o de ficar sozinha: o de casar com alguém que eu precisava, mas não amava. Nunca procurei o príncipe encantado, aliás, acho chatíssima essa história de ter alguém que faça tudo por você. Gostar dos outros apenas por gratidão é lamentável. Tem coisa mais triste?

E é engraçado que quando aparecem os tais príncipes todos ao seu redor te estimulam a não deixá-lo passar. Como não se relacionar com alguém que te faz tão bem? Como não se envolver com esse marido exemplar? As pessoas exemplares sempre me encheram de tédio, nada como um caos pra agitar a vida.

Os príncipes de verdade só funcionam se forem individualmente defeituosos para cada princesa, não tem jeito. Ainda que você idealize, planeje e tente se enquadrar, você vai, pelo menos uma vez na vida, gostar exatamente daquela pessoa que tem menos a ver com você e esperar, veementemente, que a admiração no relacionamento seja tamanha a ponto dela mudar o modo com que pensa sobre a vida. Para um relacionamento funcionar, o amor não basta, já cansei de falar sobre isso.Você precisa ter planos em comum com essa pessoa.

Essa união de características, entre aquilo que esperamos de alguém e aquilo que precisamos é muito difícil de ser encontrada. Quanto mais conhecemos as pessoas, mais percebemos que, talvez, o nosso namoro perfeito tenha falhas. Que a pessoa que está conosco talvez não tenha os mesmos sonhos, espectativas, que não sabe compartilhar com a gente a vida real.

Os seres humanos são os únicos seres vivos capazes de imaginar um mundo inteiro e se frustrar quando as coisas não saem IDÊNTICAS às que estavam na cabeça. A realidade imaginada é muito melhor, perfeita e sem percalços que a fria, dura e fiel realidade do dia-a-dia, aquela que não tem a menor vontade de dividir a vida com alguém, que acha dar satisfação um saco, que não é redondinha, como a sociedade espera.

Há um mundo de possibilidades e pessoas que pensam como você aí fora e você quer estar exatamente com aquela que discorda de você, que te faz infeliz com a sua sinceridade, que não está nem aí para os seus sonhos. Afinal, são desejos seus, únicos, individuais e não do outro. Até que ponto eles realmente importam? Não se obriga amor. Não se obriga dedicação. Não se obriga desejos comuns, sonhos conjuntos, não dá. Amor de verdade se sonha há dois. Se adapta.

O meu problema, o seu, o da sua amiga que casou com um cara “perfeito” mas que quer mesmo é juntar os trapos com o cafajeste que ela conheceu na praia é o mesmo: achar que o mundo vai dar suas voltas e que um belo dia o outro vai voltar TRANSFORMADO, disposto a fazer tudo que você sempre quis. E você vai largar a casa, a comida, os gatos, as certezas, os pilares e TUDO o mais que precisar para ficar com ele e ser feliz, sem dor, sem perda, sem pena, sem caos. Infelizmente a vida não é como nos filmes.

Os verdadeiros príncipes estão espalhados aos montes pelo o mundo, eu sei disso. A gente só perde a paciência de encontrar tantos sapos pelo caminho e acaba se acostumando a viver no lago. Vamos começar a nadar?

Continue Reading

romantismo masculino.

Homens e mulheres são diferentes. Eles são mais racionais e elas, emocionais. Dizem que os primeiros fazem sexo, e os segundos, amor. Falam que os homens são de Marte e as mulheres de Vênus, mas okay, já lemos todas as publicações de auto-ajuda no quesito machos X fêmeas e ainda somos incapazes de responder a algumas questões inerentes a esse assunto; o que me deixa bastante feliz já que falar sobre isso é uma das coisas que eu mais gosto de fazer.

Porque o romantismo está tão inerente a algumas mulheres e praticamente ausente em alguns homens? Porque a falta de manifestações atípicas de carinho ainda são tão valorizadas pelo sexo feminino e tão pouco exploradas pelo masculino? Se eles são assim tão racionais, porque não fazem o que é preciso para ter um relacionamento mais harmonioso, ou, talvez, mais satisfatório para as mulheres que tanto têm essa necessidade de se sentirem amadas?

A realidade é que eles não fazem por mal: simplesmente não sabem o que as elas querem. Até porque se uma mulher cobrar romantismo todas as ações seguintes que o homem tiver parecerão forçadas e não farão o MENOR sentido. Os homens não entendem que banalidades possam ser tão valorizadas, que cartões, flores, surpresas e mimos possam ter um efeito estrondoso dentro de uma relação e, portanto, não planejam essas ações. Não é por maldade, é porque não foi trabalhada neles essa sinceridade, essa exposição aparentemente sem por que dos sentimentos.

Eles não acham necessário tanta exposição, porque afinal, um homem quando diz que ama, ama. Não finge,  não sabe ser delicado sem realmente se importar com a mulher. Homens são nota ZERO em simulação, enquanto nós, somos mestres. Tanto é que, via de regra, quando achamos que alguma coisa está errada dentro de um relacionamento ela está. Mesmo que eles neguem.

Mulheres, nós queremos demais. Não existe relacionamento perfeito, nem namorado príncipe. Talvez, nem precise existir. É bom, é delicioso ser surpreendida, sentir-se especial, mas acho que não adianta tentarmos impor sentimentalismo aos homens – eles acabam perdendo um pouco da essência naturalmente despachada que tanto nos atrai.

E não há nada melhor do que uma demonstração sincera, inesperada e realmente de coração vinda deles. Se a gente realmente merecer, sem mentira nenhuma, acontece.

Continue Reading