lisinha.

O assunto, na mesa do almoço, era depilação. E tem lugar mais apropriado pra falar sobre isso?

As mulheres, quando juntas em qualquer ambiente, tem um poder incrível de anular toda e qualquer influência externa, é incrível. Como se entrassem numa bolha e nada, nem ninguém ao redor, fosse capaz de ouvir qualquer intimidade ou exaltação proferida. Vale falar do marido, do amante, vale palavrão e até reclamar da mãe. O laser, a cera, os procedimentos mais doloridos, sórdidos e pessoais. As preferências de estilo, forma e cor, declaradas, escrachadas, colocadas todas em pratos limpos com a maior naturalidade do mundo – como se a timidez fosse algo que não existisse. Risadas altas, histéricas, casos de amor que não se importavam com esse ou aquele pelinho a mais, outros mais exóticos, que preferiam “penteados” geométricos, os fãs do estilo “recém nascido”, e muita naturalidade e jogo de cintura para falar de si sem se importar com nada (e nem ser julgada por isso).

Ser mulher é contraditório. É estar sempre arrumada e preocupada com o que os outros vão pensar sem nem ao certo saber quem são esses outros (ou se, de fato, se importam com o que acontece com a sua vida). É ser super encanada com o peso, com o biquíni e, ao mesmo tempo, ter um descaramento sobre aqueles temas que os homens morrem de vergonha de comentar: o exame de próstata, o amigo de infância viado, o filho que detesta futebol, o fato de gostar de música romântica e não assumir, etc, etc, etc.

Somos loucas, pouco santas, mas muito, muito felizes. Afinal, em meio a um mundo com tantas restrições, nada melhor que sair da linha em alguns momentos, não é mesmo? Acho que os homens deveriam tentar.

**********

Esse post é resultado de uma enquete na página do Facebook do Hiper sobre qual assunto os  leitores gostariam de ler mais por aqui. Comportamento Masculino X Comportamento Feminino foi campeão disparado!!! E você? Quer ler alguma coisa por aqui que eu ainda não escrevi? Mande um e-mail ou uma mensagem lá no Face! =D

Pode ter certeza que assim que possível, atenderei seu pedido!

Continue Reading

o machismo nosso de cada dia.

Nós mulheres reclamamos dos salários reduzidos em relação ao dos homens. Nos orgulhamos por sermos multifuncionais e, ainda assim felizes, por sermos capazes de cuidar da família, da carreira e ter a proeza de encontrar tempo para nós mesma num dia de apenas 24hs. Isso tudo é ótimo, é excelente, mas parem e reparem: somos muito machistas. Muito mesmo. Justificamos tantas coisas injustificáveis que chega a ser assustador.

Não é problema deles o sexo ser ruim, nós é que talvez não gostemos tanto disso. Eles batem em uma mulher porque se descontrolam, não porque tem a ver com algum tipo de problema grave que não saibam lidar. Achamos normalíssimo sermos traídas, porque homem, afinal, quer uma mulher boa de cama e só.  De vez em quando até gostamos dos comentários desrespeitadores sobre a nossa roupa, nossos peitos ou nossa bunda. Não fomos treinadas para combater insultos e para não nos submetermos às agressões físicas sutis que se multiplicam nos transportes públicos, nos shows de rock, ou em qualquer lugar que tenha uma pequena multidão que justifique uma “apalpadinha”.

Não sabemos dizer não. Não aprendemos que mulher também pode (e deve) ter prazer e que isso depende das duas partes do time, e não só de uma. Não sabemos admitir que gostamos disso ou abominamos aquilo; sem saber o que nos faz feliz ( e sem saber o que gostamos ou o que queremos, desistimos de cobrar). Achamos feio quem gosta de sexo e fala abertamente sobre isso, achamos vulgar, baixo e há quem tenha vergonha até do próprio ginecologista. Questionamos de onde vem tanta violência e preconceito e, em casa, criamos nossos filhos como pequenos reis, desvalorizando o trabalho que fazemos e deixando que eles acreditem, desde muito cedo, que cuidar da casa é coisa de mulherzinha.

Julgamos demais. A mulher solteira, a divorciada, a gorda, a sapatão. Sem perceber que talvez elas estejam certas e que com bem menos hipocrisia tenham melhorado consideravelmente nossas vidas por fazer barulho, por nadar contra a maré, por tentar se libertar dessa raiz patriarcal tão forte, mas tão forte, que chega a distorcer o que é o feminismo.

A feminista moderna pode se apaixonar, pode depilar as pernas, gostar de rosa e olha só: pode até querer agradar o marido. Aliás, quem disse que pra ser alguém consciente sobre seu corpo, seus direitos e tudo o mais que lhe valoriza e lhe representa precisamos deixar de ser MULHERES, femininas, diferentes?

Está mesmo tudo errado no mundo. E talvez a culpa seja só nossa. E do modo como acreditamos que tudo, em absoluto, é imutável.

Continue Reading

mãe repelente.

Quando um homem é pai solteiro vive rodeado de possíveis pretendentes. Não sei se isso faz parte da vontade de algumas mulheres de ser mãe, ou se é alguma coisa inerente a sermos mais tolerantes, a entendermos que alguns relacionamentos na vida não são eternos (e que podem gerar seus frutos), que filhos não são um estorvo na vida, e sim, benção e que, no final das contas, o relacionamento se dá à dois, ainda que tenha seus percalços emocionais vez ou outra. Qual namoro não tem, não é mesmo?

Tenho esbarrado em muitas mães solteiras e sozinhas que não estão assim tão contentes com essa opção. Mulher com filho é repelente certo de paquera, meus nobres leitores, em pleno o século XXI. Já aceitaram os homossexuais, já aceitaram a pílula, já entenderam que as mulheres têm direitos sobre o próprio corpo, mas essa briga, antiga, sofrida, das mães solteiras, ainda continua.

É compreensível, na  nossa sociedade, o fato do homem ser o provedor e, a mulher, aquela que cuida dos filhos. Na cabeça de uma mulher, inclusive,  o fato de um sujeito se interessar por ela, mas desprezar o fato dela ter filhos é aceitável, é a ordem natural das coisas, como se ela fosse culpada pelo modo como a vida se encaminhou. Não sei se vocês se recordam das aulas de biologia, mas ainda não é permitido termos filhos sem um auxílio masculino, seria ótimo, aliás. Afinal, não são as crianças  o símbolo do envolvimento de uma mulher com um outro alguém? A prova viva de que ela não é mais virgem, casta, santa, outro absurdo que ainda temos que escutar de muitos homens? Que nos tornamos imprestáveis por termos passado? Mas esse, afinal, é assunto para outro post.

O que eu quero dizer, é que as reclamações das mães solteiras são verdadeiras. Que o impedimento em namorar tão comentado  é antropológico. É do preconceito que vem da vó que se recusa cuidar dos netos para a filha “vadiar por aí”. É da possível sogra, que vai fazer de tudo para “separar o filho dessa desqualificada”. E é dos homens que não querem assumir um papel de “pais”, visto que tem dificuldades em se responsabilizar até por si mesmos, que dirá por filhos que não vieram de um relacionamento comum.

Por fim, como as pessoas não são padronizadas e, graças a Deus, o mundo caminha pra frente, conheço uma amiga que foi casada, separou, namorou, separou e  já está namorando de novo: feliz, com duas crianças lindas e super bem resolvida.

O mundo é cruel, a gente sabe. Os homens estão difíceis, a gente sabe. Mas se uma pessoa não tiver a decência de dispensar uma mulher por motivos mais valorosos que o fato dela ter filhos, nunca terá a maturidade para entrar em um relacionamento, se envolver e ficar sujeito a todas as suas implicações. Afinal, por trás de toda a mãe há uma mulher incrivelmente interessante, experiente e muito mais que isso: disposta e preparada para encarar o que vier.

E perde mesmo é quem nem tenta.

Continue Reading