Um “oi, queridos!” da sumida que aqui vos fala! =)

 

Minha gente, que loucura! Faz muito tempo que eu não escrevo por aqui, não é mesmo?

Além da vida corrida, dos afazeres de rotina, do meu casamento que se aproxima, etc, etc, andei priorizando outros espaços digitais em detrimento do Hiper, não sei se vocês sabem disso e também não sei exatamente por que nunca contei por aqui, mas continuo blogando vez ou outra por aí. Eu vivo dizendo para os quatro cantos desse planeta que as coisas na vida (todas), para darem certo, precisam de dedicação e esforço, de insistência, de paciência, mas em casa de ferreiro… O espeto é de pau. E na vida real não é tão simples assim.

Na sexta-feira passada, tive a honra de participar de um projeto muito bacana com pessoas bem incríveis, o Projeto Autoria, um festival literário que rolou na minha terra natal, na Baixada Santista. Fui convidada a falar sobre um pouquinho da minha expertise em Social Media, e a ideia era estimular discussões sobre comunicação de um modo geral. A programação, que era inteiramente gratuita, tinha muita gente diferente e cheia de insights. Honestamente, me surpreendi com a quantidade de pessoas que deixaram de ir ao bar tomar a clássica gelada de sexta para passar algumas horinhas discutindo sobre como ganhar dinheiro online comigo – e algumas cositas más.

Fiquei orgulhosa, como poucas vezes da minha trajetória pessoal. Sabe, há muitos, MUITOS ANOS, escrevo por prazer. Puro e simples. É claro que escrever faz parte da minha profissão, mas não é diretamente das letrinhas que vem meu sustento – e às vezes eu acho que deveria ser mais ousada, mais arriscada, mais vida loka, acreditar mais naquilo que eu digo constantemente para as pessoas e insistir nisso. Acho que encarar o Hipervitaminose ou qualquer outro veículo que publico meus textos como hobby, apenas, faz com que a frustração por não tornar esse espaço algo verdadeiramente rentável algo mais leve, mas, ao mesmo tempo, colocar nossos sonhos completamente de lado é bastante frustrante. Existem sempre dois lados: quando eu paro pra pensar quantas coisas o Hiper já me proporcionou, tudo parece incrível. Mas quando penso sobre onde poderia chegar se acreditasse mais que as coisas por aqui podem dar certo, seria ainda melhor.

Na mesa redonda que participei no SESC Santos, sobre Empreendedorismo Digital, pude perceber que as pessoas têm sede de conhecer, de trocar figurinhas, de ouvir de alguém que é difícil mesmo, mas que a dificuldade faz parte do processo. E gente, acho que gosto muito mais de falar que de escrever, poderia viver respondendo perguntas e falando em público, dando conselhos, fazendo consultoria. Eu amo essa troca de ideias com diferentes pessoas e a possibilidade de aprender tanto sobre elas quanto elas aprendem comigo. Porque vocês sabem, né? Na verdade, quem está lá, falando em público, sai com a cabeça fervilhando mais que quem assiste.

As tais dificuldades precisam nos impulsionar e não nos desestimular a continuar por aí fazendo o nosso melhor. É clichê, é padrão, é auto-ajuda, mas é verdade. Tudo que é simples e óbvio na vida é a mais pura verdade, é a gente é que fica buscando pelo em ovo, justificativas nas circunstâncias, negando as aparências, disfarçando as evidências, já sabem.

Por isso, digo ao povo que eu voltei. Pra ficar por aqui, para continuar lá no @dona_baratinha e também na deliciosa Trendr.

Nos vemos por lás.

Continue Reading

De todo o tempo que eu não escrevi mais por aqui.

Engraçado como a falta de tempo é mortal para as palavras. A gente está sempre correndo tanto, trabalhando tanto, planejando tanto que não consegue, simplesmente, concretizar as coisas simples que um dia começou para dar alívio às complexas.

Eu nunca tive problema com inspiração, sempre coloquei por aqui – e por ali também – os muitos sentimentos que habitavam o meu peito sem censura ou culpa, o que, às vezes, afetava um ou outro mais atento aos meus sinais fora da vida virtual. Escrever é um ato de coragem, alguns dizem, principalmente sobre coisas que a gente sente e sobre pessoas, mas também é um desafio diário. Quem lê as coisas ruins, que de vez em quando pintam por aqui, não comenta para não se comprometer e ninguém gosta de assumir tanto assim suas dores e dessabores em público. Mas o escritor, até o de fundo de quintal, quer que as pessoas se sintam parte daquilo que está nas letras, que comentem, que interajam, que se engajem nas histórias e que sirvam de inspiração para muitas outras – que ainda estão por vir.

Comecei a desanimar do Hipervitaminose quando senti que não era mais ouvida, que esse espaço virou um diário pessoal de desabafos sem sentido pra mais ninguém – uma exposição desnecessária em tempos em que todo mundo gosta de se expor.

Um dos meus planos para 2017 era simplesmente matar aos pouquinhos o Hiper – que já estava mesmo nos seus últimos suspiros, numa tentativa de silenciar algumas coisas que a idade adulta já não permite mais que falemos assim, tão sem freio como antes. Mas como parte de um processo terapêutico mesmo, optei por continuar a postar por aqui ou a tentar retomar com frequência e empolgação, os textos que antes me faziam tão bem, que tinham tanto sentido e faziam efeito real na minha vida.

Pois bem, vamos (re)começar. Assim como uma alimentação saudável e uma vida mais ativa fisicamente em 2017, também prometo que a minha sanidade menta será mantida nos textos que saem do coração pro corpo do espaço em branco do WordPress.

E conto com vocês pra isso.

Continue Reading

Blogagem coletiva: O que eu mais gosto de escrever no blog?

Pensei umas 56 vezes se escreveria ou não esse post, mas queria muito participar de mais essa blogagem coletiva – que mal comecei a ler nos blogs alheios, mas já curto pacas – e nesse intervalo antes do Blogday, acabei colocando a cacholinha pra funfar e registrar algumas poucas palavras por aqui.

O tema brotou lá no Rotaroots como uma sugestão da Babee, e, verdade seja dita, meu blog não tem exatamente uma super gama de temas explorados, né? Falo basicamente sobre gente, sentimentos, causos e desabafos – principalmente os de amor – e então ficou meio difícil citar sobre o que mais gosto de escrever por aqui, porque, sejamos honestos: escrevo APENAS sobre o que gosto por aqui. RISOS.

ENFIM, gosto muito de moda, beleza, gastronomia e decoração – que é basicamente o que eu busco na internet pra passar o meu tempo livre com mais qualidade, mas não acho que tenha assim, PROPRIEDADE pra falar sobre isso aqui no Hiper, sabe? Nunca consegui escrever sobre esses temas dentro do blog. Veja, tenho um projeto de começar a gravar vídeos que nunca sai do papel por motivos de ter voz de travesti e falar com a boca torta e digo mais: sei que também não sou ninguém na buatchê pra falar sobre relacionamentos e dramas existenciais, mas ok. Quando criamos um blog pessoal temos justamente essa ausência de julgamento, essa coisa de poder falar sobre o que quiser, e, consequentemente, atrair quem quiser ler as papagaiadas que ponho aqui também, assim, simplão, sem neurose.

Se você está doando nesse momento alguns minutinhos do seu tempo vindo até aqui hoje, ou se já é leitor assíduo e me acompanha por todos esses anos de Hipervitaminose e você tcherêrê tchê tchê tchê, que delícia! Sinal que dá pra continuar sonhando, desabafando, dá pra continuar fazendo algumas poucas e pequenas coisas por prazer. E só.

Tente você também! (e coloca o link do seu blog aqui nos comentários pra eu ler, tá?)

Um beijo e um queijo,

Ericka.

Continue Reading

sobre os últimos tempos.

Estou há um tempo recorde sem escrever. O que é muito, muito estranho. O que é anormal, eu diria. Logo eu que falo pelos cotovelos, vocês bem sabem, que sempre tive tantas considerações acerca das coisas todas, que sempre me vi pensando demais sobre o que vai acontecer com a minha, com a sua, com a nossa vida – e com a vida de gente que eu sequer chegarei a conhecer – perdi, nas reflexões, as tais palavras. E me mantive quietinha.

Entrei num estado de contemplação sobre coisa nenhuma e tudo, simultaneamente. Onde cada dia se é vivido em doses homeopáticas, saboreados como brigadeiro caseiro em aniversário infantil. Nada me cabe tão bem nesse inverno como um período de descanso da vida que sempre correu tão depressa bem à minha frente. Que sempre esteve tão distante do que se tem e do que se espera.

Não sinto mais aquela necessidade de fazer tudo até a última gota, como se fosse evaporar. Mas também não me permito deixar mais as pequenas – e sutis coisas – passarem despercebidas. Muita coisa acontece, afinal, enquanto a gente olha pra frente e não pra dentro.

Dos amigos me restaram poucos.

Do dinheiro, como de costume, também pouco.

Mas dos sonhos, esses, implacáveis, me sobram ainda muitos.

Que resolvi absorver e tentar – pacientemente e racionalmente – concretizá-los sem atravessos.

E às vezes é preciso calar, ainda que inconscientemente. Porque nesse texto, por exemplo, nada foi dito.

E tudo, ao mesmo tempo.

Continue Reading