Vênus em Gêmeos, coração na Lua.

Dia desses, vi no meu mapa astral online ~ super confiável ~ que tenho Vênus em Gêmeos. Li em alguns outros tantos lugares que isso significa que sou uma pessoa que gosta de todo mundo e de ninguém ao mesmo tempo, que entra e sai fácil dos relacionamentos, que hoje gosta, amanhã desgosta, depois nem lembra. Fui taxada de superficial, de volúvel, falsa e mais uns tantos termos pejorativos que não vale ressaltar aqui porque não é o foco, mas, enfim, deu pra entender qual é a vibe.

De fato, dos não amores que tive, desamei facilmente. Há uns tempos me peguei sem reconhecer aquele casinho do passado, o rolinho da adolescência e onde-mesmo-que-eu-tava-com-a-cabeça-quando-gostei-desse-cara? Cruzes.

Talvez a tal da Vênus em Gêmeos faça mesmo sentido. Que cansaço me dá essa coisa de sofrer por amor, sempre tive um pouco de preguiça. Das pessoas realmente inesquecíveis, conto 2, 3 bons amigos ex-amores e só. E olhe lá.

Na prática, se acabou é porque teve fim. Que venham outros 2, 3, 35, 112. E que a gente se reinvente quantas vezes forem necessárias até se esquecer do que um dia era eterno.

Gente que tem a tal da Vênus em Gêmeos, tem, na verdade o coração na Lua. Longe, distante e bastante seletivo. Somos capazes de mostrar o maior dos envolvimentos sem nenhum interesse e o maior dos desprezos estando interessadíssimos. Somos seres complicados, peculiares, calculistas. E daí – PUFF – mega impulsivos de repente. Hoje não ligamos, amanha fazemos drama. Hoje morremos de dor, amanhã nem sabemos mais porque. E nessa balança maluca do amor nunca esquecemos de uma coisa: de que tudo vale a pena desde que seja intenso, inteiro, cativante. Se a outra parte meio quiser, não basta. Se fizer em parte, se tiver uma pontinha de receio…Não dá. E daí os ciclos se repetem, e nós é quem ganhamos a fama de bad boys/girls, veja bem.

Que culpa tenho eu se existe tanto medo em ser o que quiser na hora que dá na telha?

Sou Vênus em Gêmeos sim, com muito orgulho. E a sua opinião sobre isso? Pra puta que pariu.

Continue Reading

o tal do mapa.

Eu e meu melhor amigo, um dia, resolvemos deixar que nos fizessem um mapa astral. Não acredito em signo, nem em banho de sal grosso, nem em 7 ondas, nem em velas coloridas, mas no final das contas, entre o certo e o duvidoso faço de tudo um pouco. Quando as mandingas, mesmo que não tenham a menor relação com a realidade, funcionam, fica difícil não tentar de novo. Vai que, não é mesmo?

Certa ou errada, lá estava eu, esperando uma mulher ler nos planetas, na lua e no sol, linhas imaginárias que diziam como seria minha vida amorosa, financeira, etc, etc. O tal do destino. E ao contrário do mapa astral do meu amigo, azulzinho, limpo, tudo de bom, o meu traçava o caminho do inferno: invertido, vermelho e mais riscado que desenho de criança em filme de terror. Fui obrigada a encarar, então, a vida cagada que me aguardava. E lidar com o que viria.

Do mapa em diante, tudo seguiu, claro, como deve ser. Na época estava desempregada/falida/desacreditada, morando de novo na casa dos meus pais há mais de 6 meses e a notícia do meu saudoso destino, claro, caiu como luva pra me deixar na mais pura e completa derrota e humilhação. Se minha vida estava mesmo traçada, nem adiantava tentar nadar: iria morrer na praia anyway.

Algumas coisas realmente se concretizaram, para o bem e para o mal. E toda a vez que algo começa a dar realmente errado eu lembro do tal mapa. E das tais previsões. E da porcaria das linhas vermelhas.

E se vocês querem a minha sincera opinião, essa coisa de saber que coisas boas ou ruins virão é um saco. Te faz enxergar coincidências até onde não tem.

Fico pensando em até que ponto somos mesmos responsáveis pelos nossos sucessos e me questionando sobre meus esforços, sobre o fato de eu tentar estudar, evoluir e, de alguma forma, mudar a vida pra melhor. Seria uma sacanagem muito grande não termos a capacidade de alterar o modo como as coisas se apresentam, não é? Seria muito simples, afinal, aceitar meras orientações astrológicas como verdades absolutas…

Que a vida é difícil, a gente já sabe. Só espero que a posição dos planetas não esteja, realmente, contra mim (ou contra a vida de qualquer um de vocês.)

Vamos torcer.

Continue Reading