gordinho semidébil (sem ofensas).

Uma amiga muito muito amiga me falou sobre um texto que ela leu uma vez sobre a fragilidade das mulheres em uma dessas revistas femininas famosas. Achei o conceito apresentado tão bom que, mesmo sem conseguir encontrar o tal texto pela internetê, achei que seria de utilidade pública que todas as mulheres tivessem acesso à pelo menos parte daquelas ideias.

Toda a mulher já se interessou por um babaca, toda, toda mesmo. Um babaca lindo, com um look incrível e uma barba de responsa. Ou apenas um babaca gordinho, um babaca semidébil que não sabe se vestir, não sabe ser agradável em grupo e que, simplesmente, deveria ser  impossibilitado de xavecar qualquer ser bípede vivente. E esses babacas, lindos ou não, inteligentes ou não, sensacionais ou não, são capazes de destruir em minutos a autoestima de qualquer mulher pelo simples fato de serem… Homens. Quantas vezes você já se viu chorando pelos cantos por um sujeito do qual tinha plena consciência de que não valia a pena? Quantas vezes você se pegou discutindo sobre alguma coisa que nem deveria, que estava te magoando profundamente sem, ao menos, saber exatamente o porque de tudo aquilo?

As palavras daqueles que consideramos, por menos qualificadas que essas pessoas sejam, por mais escrotas e sem noção que elas possam parecer, nos ferem. E a cada novo relacionamento, carregamos essas coisas conosco, acumulamos um ofensa aqui, outra ali e destruímos nossa amor próprio. Passamos a acreditar que somos meses estranhas, loucas, feias, desinteressantes e incapazes de nos relacionar. Aliás, toda a frase que começa com “olha, sem ofensas, mas…” geralmente nos agride. E acabamos incapazes de nos livrar desses acúmulos de coisas ruins, acabamos por acreditar mesmo que aquilo o gordinho semidébil disse é verdade quando muitas vezes não é.

O que é uma pena para o resto da sociedade e para os nossos relacionamentos futuros, o que nos impede de agir de um jeito XIS ou IPISILON para evitar conflitos. Sabe, às vezes, é necessário. Às vezes somos mesmo muito explosivas ou neuróticas, existem coisas que de fato precisamos trabalhar enquanto pessoas. Mas não é plausível que aceitemos tudo, principalmente daqueles que não possuem referências para tal.

E parem, por favor, de se encantarem por qualquer porcaria que demonstrar o mínimo de carinho.

Para ter mais, precisamos também, escolher melhor.

Você também pode ler

5 Comments

  1. HAUHUAHUAHUAHHA… Não Fê! Mas fico feliz que tenha servido pra alguma coisa! HUAHUAHUAHUHAUAHUHA!!

  2. Ericka! Há quanto tempo não passo por aqui! 🙂
    Bom ver que continua na ativa, diferente de mim, que já escrevi uns 10 rascunhos no meu blog, mas nada que me agradasse a ponto de postar.

    Bem, mas vamos ao meu comentário né?
    Eu já vi essa história várias vezes. Homem é um bicho sem noção. Alguns ganham um pouco mais com a idade, outros não. E independe de ser o babaca lindo ou o gordinho semidébil. Por outro lado, também tem os que intecionalmente diminuem a mulher, ou por se acharem melhores do que ela (no caso do babca lindo) ou para se sentirem superiores (no caso do gordinho semidébil).

    Cabe a mulher não se sujeitar a isso! Mas também cabe a ela encontrar a sua beleza e o seu objetivo. Não tá satisfeita consigo mesma? Muda! Não se engane, vai doer. Mas depois da tempestade, sempre vem a bonança.

  3. Bom, olha eu aqui. Já que quem te apresentou o conceito de homem (?) “gordinho de semidébil”, nada mais justo que um comentário meu. A questão é que, muitas mulheres, depois de tantas vezes quebrando a cara ficam fragilizadas, aceitam qualquer coisa. Não só qualquer cara, mas, de relacionamento. Às vezes o cara é legal, mas não pode oferecer aquilo que você precisa, e você aceita porque tem medo de ficar sozinha. Às vezes, o cara é um gordinho semidébil e, mesmo assim você cai, porque já não tem mais forças para negar. É triste. Bem triste. Precisamos aprender que não somos menos porque não temos um namorado ou marido. Precisamos aprender a gostar de quem somos sem precisar que ninguém concorde, não é isso? 🙂

  4. Éricka, preciso falar contigo urgente, mas não tenho seu e-mail, me escreve please? Bjs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *