das mágoas sofridas.

Temos uma tendência a ser extremamente vingativos quando estamos magoados, como se as dores, quando sofridas da mesma forma por quem nos feriu, se reduzissem ao ponto de não sentirmos mais nada.

Na verdade, acho essa coisa de não sentir nada terrível. Certas coisas na vida só somos capazes de aprender se nos sentimos bem ou mal, infelizmente. Mas é isso que importa: o retorno que temos das mágoas que se instalam.

Nos momentos de raiva xingamos, esbravejamos e desejamos que cada mal efetuado seja pago com juros pela lei de taleão: olho por olho, dente por dente, chifre por chifre, mágoa por mágoa. O que a gente tem que entender é que assim como a vida pode ser bastante injusta, e nos fazer sofrer por demais por alguém que realmente não vale a pena, tudo o que vai volta. E quem faz mal a quem lhe quer bem sempre acaba vivendo algum tipo de consequência – nem que seja a de ficar eternamente só.

Quer coisa pior que não ter mais amigos para confiar ou família para acolher? Quer sofrimento maior que saber que feriu alguém ainda que involuntariamente?

Aqueles que não são capazes de perdoar, e de deixar o mundo girar para que a mágoa vá embora e tudo se ajeite, não são capazes, também, de aprender.

E nem de enxergar que pior que um coração magoado, é um coração frio.

Você também pode ler

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *