E qual é o problema?

Reparo muito no que encontro pelas ruas, muito mesmo. E viajo bastante também. Esses dias vi um casal de anões e fiquei hipnotizada por aquelas pequenas pessoas. Fiquei pensando em como somos apegados à aparência ainda que, com convicção, neguemos isso. E ao contrário do que você possa imaginar, não vi aqueles dois com preconceito. Fiquei tentando entender, na verdade, porque essa nossa tendência a nos relacionarmos com os iguais. Ou você já viu uma anã com um homem comum? O que é mais fácil de encontrar por aí? Japoneses em bandos pelas ruas, ou japoneses namorando afro descendentes?

Entendo que namorar alguém parecido conosco é mais fácil, ainda mais em casos como o desse casal. Mas namorar o diferente não é impossível. De que importa termos um metro ou dois se o que nos cabe num relacionamento é o tamanho dos sentimentos envolvidos e não a nossa imagem para o resto do mundo? Pois é. Se julgássemos menos talvez nos veríamos mais livres de algumas convenções sociais e mais dispostos a apreciar nos outros aquilo que nos falta.

Um cara bem alto namorando uma baixinha.  Uma gordinha com um magrelo, um cabeludo e uma careca. Acho que de todas essas combinações a mais polêmica, apesar do passar dos anos é  a da loira com o negão. Quão grande não foi o burburinho quando Pelé namorou Xuxa? Excluindo daí interesses econômicos, profissionais ou o que seja, por que ainda nos incomodamos com essas relações? Por que somos avessos às diferenças latentes? Um nariz enorme, uma pinta saliente. Um nerd e uma gostosona, uma jovem e um sujeito bem velho. Não nos cabe julgar as pessoas,  entender seus motivos ou criticá-las quanto aos seus “excêntricos” comportamentos, acho que temos muito mais a aprender com elas que repreendê-las.

O amor não tem tamanho, raça, sexo ou situação social ainda que esse pareça ser um daqueles enormes clichês. E se você duvida, questiona ou se vê chocado com quem fulano de tal se relaciona, respire: a vida dos outros não é da sua conta.

E quem gosta de verdade não tá nem aí pra opinião alheia.

Você também pode ler

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *