ervilha.

De repente você resolve adicionar no Facebook aquele colega de faculdade que conversa bem pouco. Vai olhar os amigos em comum e lá está a sua vizinha, de Santos, e mais uns 3 amigos sem nenhuma conexão entre si. Como se não bastassem os esbarros previsíveis, a namorada do tal cara da facul estudou com você na 4ª série, uma conciência colossal, visto que você está instalada e bem acomodada em São Paulo há quase 7 anos. Parece que os dois se conheceram em Campos do Jordão, quando ele ainda morava em Araraquara e ela fazia faculdade em São Carlos. Como você e sua amiga haviam perdido há anos o contato,  você resolveu trocar mensagens com ela, de quebra gelo mesmo, para saber se tudo andava bem. Qual não é a sua surpresa ao se deparar, no meio dos recados da timeline alheia, com mensagens do seu primeiro chefe? Cheio de intimidade com a sua camarada da juventude? Você resolve sondar. E descobre que eles fizeram academia juntos em 2007 e que também tem alguma relação desconhecida com a Glorinha, o Matias e a Cibele, que você conheceu naquele cursinho de teatro que fez nas férias.

O mundo virtual acabou com os desencontros. Ele conspira para que as pessoas se aproximem e não o contrário, como todo mundo pensa. Hoje você consegue se apaixonar por Skype e encontra mil motivos para se separar  num histórico de MSN. As relações estão a cada dia mais frágeis, mas extremamente próximas. Os espaços se misturam, não há limites. Tudo pode ser visto, comentado, interpretado, repassado. E você, quase nunca, é aquilo que publica. A vida de ninguém é casa na praia, viagem pra Europa e bar todo o final de semana. Lá está o melhor daquilo que queremos ser e não do que somos. E o ambiente virtual atrai não somente quem desejamos ver, mas todo o universo que, às vezes, evitamos ao vivo.

É o novo estilo de climão, temperado de fofoca. Aqui se faz, aqui se paga, e nem é preciso engravidar de um cara casado e morar numa cidade do interior com praça e bastante tempo livre para iniciar qualquer fofoca. O mundo é um ovo.

E a internet, uma ervilha.

Você também pode ler

1 Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *