onde estão os verdadeiros príncipes?

Sempre levei comigo um grande medo na vida, maior que o de ficar sozinha: o de casar com alguém que eu precisava, mas não amava. Nunca procurei o príncipe encantado, aliás, acho chatíssima essa história de ter alguém que faça tudo por você. Gostar dos outros apenas por gratidão é lamentável. Tem coisa mais triste?

E é engraçado que quando aparecem os tais príncipes todos ao seu redor te estimulam a não deixá-lo passar. Como não se relacionar com alguém que te faz tão bem? Como não se envolver com esse marido exemplar? As pessoas exemplares sempre me encheram de tédio, nada como um caos pra agitar a vida.

Os príncipes de verdade só funcionam se forem individualmente defeituosos para cada princesa, não tem jeito. Ainda que você idealize, planeje e tente se enquadrar, você vai, pelo menos uma vez na vida, gostar exatamente daquela pessoa que tem menos a ver com você e esperar, veementemente, que a admiração no relacionamento seja tamanha a ponto dela mudar o modo com que pensa sobre a vida. Para um relacionamento funcionar, o amor não basta, já cansei de falar sobre isso.Você precisa ter planos em comum com essa pessoa.

Essa união de características, entre aquilo que esperamos de alguém e aquilo que precisamos é muito difícil de ser encontrada. Quanto mais conhecemos as pessoas, mais percebemos que, talvez, o nosso namoro perfeito tenha falhas. Que a pessoa que está conosco talvez não tenha os mesmos sonhos, espectativas, que não sabe compartilhar com a gente a vida real.

Os seres humanos são os únicos seres vivos capazes de imaginar um mundo inteiro e se frustrar quando as coisas não saem IDÊNTICAS às que estavam na cabeça. A realidade imaginada é muito melhor, perfeita e sem percalços que a fria, dura e fiel realidade do dia-a-dia, aquela que não tem a menor vontade de dividir a vida com alguém, que acha dar satisfação um saco, que não é redondinha, como a sociedade espera.

Há um mundo de possibilidades e pessoas que pensam como você aí fora e você quer estar exatamente com aquela que discorda de você, que te faz infeliz com a sua sinceridade, que não está nem aí para os seus sonhos. Afinal, são desejos seus, únicos, individuais e não do outro. Até que ponto eles realmente importam? Não se obriga amor. Não se obriga dedicação. Não se obriga desejos comuns, sonhos conjuntos, não dá. Amor de verdade se sonha há dois. Se adapta.

O meu problema, o seu, o da sua amiga que casou com um cara “perfeito” mas que quer mesmo é juntar os trapos com o cafajeste que ela conheceu na praia é o mesmo: achar que o mundo vai dar suas voltas e que um belo dia o outro vai voltar TRANSFORMADO, disposto a fazer tudo que você sempre quis. E você vai largar a casa, a comida, os gatos, as certezas, os pilares e TUDO o mais que precisar para ficar com ele e ser feliz, sem dor, sem perda, sem pena, sem caos. Infelizmente a vida não é como nos filmes.

Os verdadeiros príncipes estão espalhados aos montes pelo o mundo, eu sei disso. A gente só perde a paciência de encontrar tantos sapos pelo caminho e acaba se acostumando a viver no lago. Vamos começar a nadar?

Você também pode ler

2 Comments

  1. O nosso problema é sempre achar q o desafio é mais interessante q o palpável, né? Pois amada, já me desfiz desse nó, o problema agora é outro: preciso de agito social, de conhecer novas lagoas, mares, oceanos! hahahaha…

    Príncipe, sapo, acho q só tomando muito na cabeça a gente começa a entender a vida. Ou não, tem gente q se priva da realidade pq ela é mesmo cruel, prefere sua felicidade inventada do q buscar a felicidade nos fatos cotidianos, pq felicidade é uma coisa tão subjetiva e impalpável, tão instável e delicada, tão particular, né? Difícil saber oq é essa tal coisa…

    Bjos!

  2. “Os príncipes de verdade só funcionam se forem individualmente defeituosos para cada princesa, não tem jeito.” Simplesmente perfeito.

    Também sempre me enchi de tédio das pessoas perfeitinhas demais. Eu gosto mesmo é dos sapos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *