e por falar em traição…

Se eu pudesse fazer uma estatística da minha caixa de entrada do blog diria que 90% dos e-mails são relacionados à traição – eminente ou em andamento. De pessoas que se dizem culpadas, mas possuem um prazer secreto em manter duplas (às vezes triplas…) realidades, de gente que não tem coragem de terminar com o oficial para ficar com o outro, e de gente, principalmente esse tipo de gente, que já não ama mais, mas que não consegue admitir.

Eu não sei se já disse isso em algum lugar nesse blog, mas eu já trai há anos atrás e foi uma das piores situações da minha vida. Não porque eu seja uma moralista, mas porque fiz isso dominada pelo descaso, pela vontade de chamar a atenção de qualquer forma e de demonstrar o famoso “se você não me quer tem quem queira”. Coisas da juventude.

Não conheço todos os meus leitores ao vivo. Não sei com precisão o que acontece dentro desses namoros e casamentos,  que são narrados como longos e sem conflito. A questão é que consigo notar, só pelo jeito que descrevem, que são situações tão sem sabor quanto xuxu congelado e tão grudentas quanto xarope em cobertor Parahyba; as pessoas se vêem presas à vínculos de respeito e não de amor. E acabam por desrespeitar o outro para se ver livres.

Mais que vadiagem, safadeza ou curiosidade: trai-se por ausência de perspectiva ou por vingança. Você gosta da pessoa, mas sabe que a coisa não vai pra frente. Você gosta, mas ela não é para você. Você gosta, mas o relacionamento está morno, chato, não vale a pena nem discutir. Você trai porque não tem coragem de dar um basta, foi traído ou se sente preterido. Não tem mais tesão por AQUELA vida à dois e passa a olhar para os lados em busca de alguém que faça você sentir de novo alguma coisa. Qualquer coisa. Ainda que seja raiva. Aí entra a emoção do proibido, a chance de ser um pouquinho mais feliz de forma complicada. Adoramos problemas, eu sei, mas tome cuidado antes de jogar para o alto algumas coisas mesmo que não estejam mais tão boas assim.

Há atitudes na vida que são irreversíveis.

 

Você também pode ler

1 Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *