profissão blogueira.

A internet é pública. Nesse mundo todo mundo pode ser aquilo que quiser, de psicólogo, médico e pintor à jogador profissional de golfe. Aqui as pessoas tentam colocar aquilo que tem de melhor – das idéias, aos bens materiais, do físico escultural, à viagem para Paris – e não importa o quanto você seja claro: cada um enxerga o mundo sob seus próprios filtros. No mundo virtual as pessoas se permitem ser um pouco mais felizes, mais magras, mais polêmicas e mais sinceras, claro, porque acabamos por esquecer que isso aqui também é feito por gente real.

Como em todo círculo social, é impossível agradar todo mundo e por essas ondas invisíveis existem assuntos mais delicados que bater na mãe e que ofendem mais que chamar mulher de gorda. Você não é impedido de publicar aquilo que deseja, claro, o problema é exatamente esse: todo mundo poder escrever o que quer, do jeito que quer e sem se responsabilizar por isso. Ninguém paga suas contas, sabe de verdade sobre a sua vida ou tem a ver com aquilo que você realmente acredita, mas quem se expõe precisa saber que também será atacado. Quem faz um texto com erros de português, criticado será pelos defensores da língua. Quem escreve sobre relacionamentos, atacado será pelas feministas, pelos machistas, pelos conservadores da família brasileira e pelos fanáticos religiosos. Quem fala de moda e beleza, será atormentado por ser fútil, por ser gordo, por ser feio, por ser brega e por mais um sem número de adjetivos bons e ruins vindos de homens e mulheres de todas as idades e classes sociais, entendem? Não é pessoal. Se você dá sua opinião o outro também pode dar a dele.

Não importa para ninguém se você ganha dinheiro falando de calcinha ou da crise econômica mundial. Sempre existiram blogs de assuntos variados e para toda a opinião é preciso ter a consciência de que existe uma resposta e uma reação que pode ser boa, ruim ou neutra, faz parte. Assim como nos anos 90 todas as meninas de 13 anos queriam ser Chiquititas, a febre de 2012 é ser blogueira e, de preferência rica. Sendo assim, todo mundo vai olhar aquilo que você diz. Todo mundo vai achar pêlo em ovo.  Os reacionários são cruéis.

Nem toda brasileira é bunda. Nem toda a patricinha é burra. Nem toda blogueira é vazia. A questão é que vivemos um momento tão intenso de proliferação dos blogs que está tudo meio igual, meio ruim, meio sem valor. O excesso desorienta.

Ninguém é melhor porque escreve sobre “ser” e não “ter”, até porque o consumir faz parte da nossa existência e vivemos nos identificando e nos reforçando pela maquiagem, pelos brincos, roupas e sapatos que vestimos. Mas quem publica e vende, influencia. E como influenciador é preciso ter cuidado com aquilo que se prega e um compromisso maior com as pessoas, com os produtos, com as gerações e com o fato de que hoje, ser legal é ter um iPhone um Louboutin e uma Balenciaga, coisa que só 3% (ou menos) da sociedade possui.

Ninguém é só cultura o tempo todo e porcaria também faz parte do negócio. Aliás, porcaria é negócio. E bem aventurados são aqueles que conseguem chegar lá sem passar por cima de ninguém, fazendo um trabalho bacana e respeitando a inteligência do leitor: são raros.

Se eu pudesse dar um recado aos blogueiros, blogueiras e aos que atacam as pessoas pela forma como elas ganham a vida seria o seguinte: já fomos melhores.

Já fomos menos homogêneos. Já fizemos parte da contra-cultura, contestadora, que fugia dos esteriótipos e pregava uma vida diferente, mas hoje, somos massa. E quem conseguir sobreviver, burlar, se destacar nesse mundo de gente que come, bebe, dorme, viaja, pensa, se maquia e veste igual, vence. Porque assim como ser Chiquitita deixou, há muito, de ser meu ideal de vida, as coisas passam. E só os fortes sobrevivem.

Você também pode ler

4 Comments

  1. Verdade, só os fortes. Por isso, é bom deixar a insegurança de lado e investir nos pontos fortes =)

  2. Post maravilhoso! Exatamente isso que penso, não devo pra ninguém e faço naquilo que me sinto bem e feliz, pronto! E recebo os comentarios criticos ultimamente e logo penso que isso é coisa que vai jogar direto pro SPAM….hahaah….está perdendo tempo! =) bjs lindaaa

  3. Amiga adorei o post incrivel!!! Olha a gente q dá a cara a tapa na internet está sujeita a criticas e tb a elogios eu to nem ai q me critiquem só quero q me respeitem, e acho q deveria sim existir mais respeito mas td bem…. como eu digo ao meu marido não trocam a resistencia do meu chuveiro mesmo rsrs Bjão

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *