Consultório Sentimental – o retorno das respostas.

Dessa vez não publicarei a história toda porque ainda não tive o retorno da nossa querida leitora e eu preciso manter o sigilo, num tem jeito! Mas achei a minha resposta tão sincera que precisei publicá-la por aqui.

E que seja útil para muitos outros corações…

*****

Alice, não aguentei chegar em casa e resolvei parar um pouquinho o que eu estava fazendo só pra te dar esse conselho porque me identifiquei muito com a sua história.

Durante 6 anos fui apaixonada pelo meu primeiro namorado, e foi por ele, aliás, que eu comecei a escrever o blog. Não exatamente por ele, mas por todas as experiências malucas que eu me envolvi depois que terminamos, enquanto estávamos juntos, e porque eu acreditava que éramos mesmo almas gêmeas e que jamais seria capaz de encontrar alguém que eu amasse tanto quanto o amava… Também houve traição no nosso namoro, barracos, lágrimas, também éramos novos e imaturos, também acreditava que um dia as coisas se ajeitariam ou que eu ia me conformar em viver uma vida “morna” com qualquer outra pessoa que cruzasse o meu caminho. Hoje, posso te dizer, COM CERTEZA que as coisas não são assim. Que não existe um único amor na vida, mas que os grandes amores são raros e nos apegamos a eles. Você só consegue amar alguém novamente quando se desliga do passado e o seu ainda está aí, presente, cutucando sua mente, provocando seus sentidos, você ainda tem muito sentimento. E porque quer.

No amor, criamos raízes e precisamos tomar cuidado com isso. Um relacionamento que um dia foi bom, mesmo conturbado, sempre nos deixa marcas, ainda mais quando falamos de um primeiro amor. Você o traiu, sente culpa pela sua imaturidade e acha que se voltarem hoje as coisas serão completamente diferentes e melhores. Elas podem mesmo ser. Mas não serão.

Ele caminhou pra frente e já entendeu que as pessoas e os acontecimentos tem uma importância fugaz na vida da gente, no momento em que acontecem. Com o passar do tempo perde o sentido insistir. Eu sei que ninguém deve ter te dito o que eu vou dizer, que as pessoas vivem por aí levantando a bandeira de que temos que lutar pelos sentimentos verdadeiros, mas isso não é sempre verdade. Sábio, às vezes, é deixar ir. Lembrar do amor que se teve com carinho e preparar o coração para novas experiências, sem memórias, sem traumas, sem dramas. Não porque não haja amor, não porque não valha a pena, mas porque não é pra ser. Você sabe que quando as coisas SÃO PRA SER, não há filho, atual namorada, família, religião ou futebol que separe, não sabe? Pois deixe isso pra lá, então. Se um dia vocês tiverem que voltar a vida vai dar um jeito de alinhar todas as coisas, de reaproximar, reapaixonar…Não fique maltratando a si mesma vivendo de migalhas de afeto (pela cordialidade e a educação que ele tem por você…) e de memórias. Saia por aí, conheça gente, permita-se. Não interessa como é o atual namoro dele, se é frio ou quente. Optar por ter um relacionamento mais racional que passional é algo que todo mundo faz vez ou outra, e você também fará. Faz parte de aprender a lidar consigo mesmo, faz parte de aprender que nem sempre gostar de alguém é avassalador, cheio de declarações e intensidades, o amor tem suas caras, não julgue. Saia dessa nuvem de emoções pra vida, pra beijar na boca, desencane, arrume um namorado que você nem ame só pra ver como é, arrume um outro cafajeste pra chorar bastante e rir da sua idiotisse depois, arrume um cara mais velho, com 3 filhos e uma ex mulher, bem complicada, que vai te perseguir na rua, depois um novinho que mal saiu da escola e que só pensa em jogar video game. Por fim, encontre um grande amor, novo, verdadeiro, saboroso. E perceba que o mundo dá voltas e é sempre surpreendente descobrir que somos capazes de amar bem mais do que um dia soubemos ser. A gente precisa viver etapas na vida para evoluir e não ficar estagnada onde encontramos um ponto de conforto.

Espero ter ajudado em alguma coisa, pode retornar esse e-mail quantas vezes desejar com dúvidas e dramas, estou pronta pra ouvir!

Um beijo enorme, Ericka.

Você também pode ler

2 Comments

  1. Não sei se funcionou com Alice, mas fiquei apaixonada pelo texto e pelas bonitas palavras. Serviram-me para criar coragem e abraçar esse mundão que me espera.
    Um beijo, Éricka.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *