para uma amiga querida.



Há pessoas que não sabem a hora de parar. Sabem que a coisa está fadada ao fracasso, que tudo e mais um pouco do que deveria – e até do que não deveria ter sido feito – já foi tentado, mas não adianta: permanecem lá, dando murro em ponta de faca. Assumir que um relacionamento terminou, quando ainda existe amor em uma das partes, geralmente da sua, é quase que incompreensível. Dói, queima e o pior de tudo isso: não adianta insistir.

Não existe nenhum amor que sobreviva sozinho.

Quando ele ou ela já não andam mais felizes você pode até pensar que dá pra amar por dois, servir por dois, ceder por dois. Não dá. Amor é erva daninha, tem que dominar tudo aquilo que encontra, se não, é facilmente eliminado. Não tem como continuar se o outro não deseja estar ali, e, se está é por compaixão. Por pena. Pelo sentimento de responsabilidade por aquilo que cativou, daqueles bem terríveis de sentir.

E bem covardes também.

O outro fica porque simplesmente não suporta te ver infeliz,  porque mesmo sabendo que já não é mais aquilo tudo que sentia é melhor isso que algumas lágrimas derramadas, que lidar com um sofrimento que ele gostaria que não existisse. Isso cansa. Amor obrigado é ilusão, num é amor. É querer enganar a si mesmo dizendo que tudo está perfeito, quando você sente que não está, quando você sabe que já desmoronou. Amor é aquilo que você sofre, que sabe que é cheio de problemas, mas que, ainda assim, concorda com o outro que vale a pena insistir. Por um bem maior.

Desapegar-se é a maior prova de amor, porque nem sempre só esse nobre sentimento basta.

E também é o melhor jeito pra que a dor passe rápido (e você descubra que um dia foi capaz de ser muito feliz sozinho.)

Let it go.

Você também pode ler

12 Comments

  1. como eu queria que alguém tivésse dito isso pra mim há alguns anos atrás, quando eu ainda não sabia ser feliz sozinho. temos que amar primeiramente nós mesmos, pra depois amar alguém, assim é bem melhor. espéro que dê tudo certo pra sua amiga.

  2. Querida Ercikamr, to em casa, de pijama, lendo este post. E como você pode ter imaginado, me identifiquei com ele imediatamente. Agora estou chorando, e chorando de caírem rios no meu teclado do computador.
    Pior que um amor que teminou, ou que continua por motivos falsos, é aquele amor que você um dia espera recuperar. Aquele que você sabe que a hora chegará, só não sabe quando. Aquele que me deixa pensativa e triste na van de volta pra Santos eu que me faz chorar na cama em plena 2:30 da manhã.
    Nunca vivi um amor no qual estávamos juntos por pena, ou conforto. No momento em que o relacionamento ficou exautsivo, o término ocorreu.

    Let it go ain’t easy. Principalmente quando você percebe que você foi feita pra uma pessoa que nunca mais possa vir à encontrar…

  3. Sabe o que é engraçado? A gente aprende pelos filmes que se há amor, tudo é possível. É um dos piores erros… amor só não basta, é apenas um dos componentes. Mas a gente só aprende isso tomando na cabeça. Não adianta explicar, tem que viver.

  4. Nega, conheço teu caso… E não chora, não! Como já diria o poeta: para os amores impossiveis, tempo. Porque quando ambas as partes estão dispostas, basta a vida contribuir… E acredite, ela vai. Tudo tem um plano.

    Te amo, xuxu!! =D

  5. Aprendi na marra a me desapegar. Fácil não foi não! Mas hoje consigo levar menos tempo na recuperação. Não porque eu quisesse ter pressa. Só fiquei assim!
    Deixar ir, soltar, liberar-se de um compromisso é bem mais saudável do que insistir no que visivelmente não funciona mais, né? Mas mulher é bicho persistente… A gente teima em querer fazer acontecer, fazer funcionar de qualquer jeito. Eita natureza brava!

  6. E quando nem tá junto, nem nunca esteve, e simplesmente falta força pra “let it go”? rsrsrs
    Adorei o texto! Sempre!
    Bjoka!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *