os dois amores.

Existem mil jeitos de amar alguém, isso todo mundo sabe. Mas podemos colocar os relacionamentos em duas categorias distintas e bastante conhecidas por quase todo o ser vivo apaixonado: o amor tranquilo e o amor caótico.

O caótico, como o nome mesmo diz, é avassalador. É cheio de ciúmes, crises e discussões. É incerto. Precisa ser constantemente mantido porque existe sempre uma insegurança no ar, uma possibilidade de término e traição eminentes. E o amor caótico é delicioso porque é intenso. Tudo é vivido à flor da pele, e absolutamente todos os esforços valem a pena. Andar de bicicleta na chuva, ir de camelo até Praia Grande, gastar 3 salários pra comprar um brinco. Vale qualquer coisa para garantir que a chama não se apague, para que o outro sempre saiba o quanto você é loucamente apaixonado –  no sentido literal da coisa. Esse tipo de amor é terrível, mas é maravilhoso. Quando está ruim, quase que na maior parte do tempo, chega a dar gastrite. Mas quando está bom, durante umas 5, 6 horas por semana, é como se fosse a primeira vez, de tirar o fôlego. Você esquece de todo o drama e fica. Fica, porque quer. Porque acha que nutrir um sentimento por alguém é sofrer mesmo, é sentir-se sem chão, é enlouquecer. São tantas as lágrimas derramadas que você até sabe que aquela situação é insana, mas insiste, bravamente, porque tudo vale a pena por um verdadeiro e intenso amor como esse, não é possível que exista algo melhor que isso.

Aí, um belo dia, alguém cansa. Você termina, sofre e analisa: porque diabos eu vivi por tanto tempo um relacionamento assim?
E começa a buscar o amor tranquilo, ideal, da novela das 6 da tarde e do comercial de margarina. Quer ter ao seu lado aquela pessoa que te conforta, que te entende, que é sua parceira de todas as horas. Não existe aquele sentimento louco de desejo, mas também não existe aquele medo insano de ser deixado a qualquer momento. No amor tranquilo ambos sabem a sua função, ambos sabem o quanto são amados, ambos sabem que podem confiar um no outro. O único problema é que você começa a achar esse tipo de situação um tédio.

Você, que sempre armou um barraco quando via a ex namorada do atual, você que sempre recebeu sacrifícios como prova do sentimento verdadeiro, você que estava acostumado a ter que se virar do avesso para manter um relacionamento se vê… Feliz. E não sabe direito o que fazer com isso.

Somos tão auto-destrutivos que arranjamos encrenca. O amor tranquilo começa a não nos bastar, é muito paradinho, quem disse que é de verdade? Quem disse que é pra sempre? E se eu me acomodar e ele for embora? E se ele se acomodar e não tiver o menor desejo de ser sempre mais do que eu espero?

Não dá.

Não sabemos ser felizes sem nenhum tipo problema, é preciso aprender. E a perceber que a paixão vai embora, que não é necessário discutir para mostrar que se importa. E o mais importante: não confundir o amor que é tranquilo e verdadeiro com aquele que é cômodo.

Nada melhor que provar que podemos amar sempre mais do que aparentamos.

Você também pode ler

29 Comments

  1. bem que topava um amor tranquilo agora, quietinho e sossegado, mesmo que pra isso tivesse que abrir mão daquela paixão toda. serião.

  2. Concordo mt com vc,somos MSM auto-destrutivos,mas acho q o certo é tentar buscar o equilibrio,nem muito tranquilo,nem muito caótico.
    ;**

  3. Sabe, Ericka, uma vez mais manifesto aqui a minha crença no equilíbrio. Mesmo um amor tranquilo e verdadeiro (que imagino como sendo o ideal) precisa de momentos intensos com alguma dose de saudável loucura. O importante é que de fato seja amor…
    Beijos,
    Thaís

  4. Nossa, amei seu texto sério. Já passei por esse amor que é um caos e não é bom, sério mesmo.
    Agora sou super tranquila e as vezes fico com medo de ser algo como mas ai acontece algo e vem aquela surpresa e vc diz ‘sim, é um amor tranquilo e eu te amo’.
    hahahaha deu pra entender?

    beijos

  5. Querida,
    de uma semana pra cá, tenho descoberto que o amor tranquilo é o verdadeiro grande amor. A tranquilidade permite que as grnades loucuras se tornem possíveis, pois você sabe que não vai ter uma briga terrível na próxima semana, você pode se dar ao luxo de fazer loucuras.
    O amor tranquilo permite você levar o café na cama.
    Mas eu acho que, quem não viveu o amor caótico, não tem como desfrutar do amor tranquilo…

  6. Eu tinha um amor tranquilo com alguém que queria um amor caótico. Não deu certo, infelizmente. Mas faz parte… Ótimo texto 🙂

  7. Isso tudo é fato! O ser humano nunca está satisfeito com o que tem. Acho que o mais importante é não deixar o relacionamento ser “morno”, mesmo que seja um amor tranquilo.
    =*

  8. Enfim, um amigo me dedicou esse texto Oo então estou eu aqui lendo! vivo um amor caótico, que muitas vezes me deixa triste, mas que me faz feliz com um simples andar de mãos dadas! Posso estar sendo burra? ou até mesmo cega… mas quero tentar ué!? Comodidade nunca me fez feliz, sou intensa e quero viver cada segundo!!! Adorei o texto! =***

  9. Eu também sou intensa, Clá, até demais! Um problema! Mas o desejo do amor tranquilo vem com o tempo… A gente tem que estar preparada pra saber viver sem problema nenhum, em paz… Entender que pra ser feliz não precisa de tanto stress… Huahuahuhauhauahuha… Essa é a minha opinião, né? E vc está certa, tem que viver tudo que há para viver para saber e entender sobre aquilo que vale a pena… De repente, vc nunca vai se adaptar à um amor tranquilo…

    Um bjão, volta mais vezes! E participa da promoção!! =]

  10. acredito que o amor tranquilo quando chega no seu final, pode ser tão doloroso quanto o caótico. Digo por experiencia. Somente tiver um relacionamento em minha vida, e o mesmo durou quatro anos de pura tranquilidade, mas sinto que esse conforto desse tipo de amor é tão intenso quanto o perturbado. Pois quando chega ao final, você pensa: Poxa, a única pessoa no mundo q jamais pensei que me magoaria fez isso!. Já no caótico você meio que já espera um pé na bunda ou simplesmente o término desse namoro! sei lá, minha opinião nega!

  11. Confesso que fiquei muito feliz em ter sido citada por você!! Já tive um amor calmo, fui mto feliz! espero um dia ter outros assim… mas agora mesmo, estou feliz por uma ligação, nada de torna banal ^^ #feliz beijão!! e sim, viciei em você e nos seus textos agora!

  12. Ericka, vc sempre fala sobre tudo aquilo que eu tento falar mais nao sei expressar, esse blog é uma aaaaaaula! auiheiuoa, enfim, concordo plenamente. é sempre assim, a pessoa sofre tanto que quando se vê feliz nao sabe oq fazer com aquilo, sou dessas que ando sempre arrumando encrenca. ó céus, isso a de mudar, viver um dia de cada vez é boa soluçao!

  13. Oi! Então, voltei… só tem mulher aqui né?!
    Minha namorada mandou esse texto pra mim dizendo que tinha lembrado da minha pessoa pelo papo que tivemos outro dia. Gostei mt do post, fala de um processo que eu acho que é mt comum, eu passei por isso. E passo por isso.

    As vezes me pergunto se vou “amar caóticamente”, como vc designou, outra vez. Olhando pra trás parece que é bobeira, infantil mas tb foi intenso. E agora vivo um momento em que está tudo bem, mas não existe aquele “drama” aquela coisa de amor platônico e “vc é tudo pra mim.” Como dizia Heráclito, (não, não sou nerd) a vida é um fluxo, tudo flui, tudo se move. E nossos relacionamentos são assim. Sempre mudando, vc nunca é o mesmo por isso nunca terá coisas iguais. Se vc olhar pro seu ex-namorado e se perguntar como passou tanto tempo com ele, não se assuste, pois vc mudou tanto quanto ele pra chegar a esta conclusão. Todo relacionamento é Único, pois todo momento é único. O problema é a busca é eterna, chega um momento em que vc fica cansado. E vc pode começar outro relacionamento totalmente diferente, com uma pessoa mt louca, e vai dar no mesmo. Pq é assim com tudo na sua vida. Estamos sempre buscando e essa busca que traz os “problemas”. Então finalmente chego a minha conclusão…

    Não busque o amor em relacionamentos, não busque o amor ou aquilo que preenche o vazio que vc sente, não busque em outras pessoas, não busque em alguma atividade ou objeto. Pare de buscar. Aprenda a viver sozinho, aprenda que o amor flui, vc só pode desfrutar dele. Só qnd vc amar sozinho, vc pode amar com alguem.

    Enfim… desculpe o testamento, qnd o filosofic mode fica ativado é ruim de parar!

    Parabéns pelo blog, vc escreve mt bem!
    Beijos!

  14. Arthur!!! Vc é sempre bem vindo, não esquenta com a frequencia feminina do blog… Aliás, se vc quiser divulgar pra uns amigos eu ficaria muito grata… MESMO!!! Pq eu tento escrever para os dois sexos, mas é complicado!! HUAHAUHUAHUA… Um bjão!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *