climão.

Sou daquelas que acha que a culpa de tudo no mundo é minha.

A crise economica mundial, a crise economica da minha casa, o atraso, o bar que deu errado, o trabalho da faculdade, algum esquecimento…Tudo, absolutamente TUDO, é minha responsabilidade. Não sei relaxar. Não sei esperar as coisas se resolverem sozinhas. Vou lá, falo tudo que tenho pra dizer e fico esperando alguma palavra que seja (de preferência, consoladora…) em troca.

Me acostumei tanto ao fato de carregar pequenas cruzes que já assumo erros que nem são meus e peço logo desculpas pra não ficar com aquele gosto amargo na boca ou com o meu estômago borbulhando de tanta ansiedade; mesmo que eu saiba que esse lance de culpados e inocentes é complicadíssimo, principalmente quando falamos em amor. Amor são dois, não um. Logo, de forma geral, se um erra e cai foi porque o outro tropeçou. Num tem outro jeito.

O que me incomoda mais é algo que vai além disso tudo: o fato do outro se importar. A gente pede perdão porque realmente enxerga a nossa parcela de culpa nas situações e se importa quando o outro está magoado. Eu, pelo menos, sou assim. Só que não podemos obrigar ninguém a se importar com a gente. Mesmo que você esperneie, e o outro comece de fato a ligar praquela papagaiada toda, isso não é valido porque não é natural.

Você provocou o efeito, você foi a causa. O amor deve ser causa e efeito por si só.

Conversando com a Mari, que assim como 70% das mulheres desse país vive uma situação parecida com a minha, surgiu a teoria de que nos desculpamos não porque nos sentimos culpadas e sim porque somos superiores – e preferimos assumir logo a culpa do que levar a situação à ferro e fogo. Eu bem gostaria de dizer que sou superior, amiga, mas eu sou mesmo é AGONIADA.  Detesto um climão. Principalmente com as pessoas que eu realmente me importo.

Acho que no final tudo isso tem a ver com o quanto somos especiais para alguém e o resto é consequência. O que torna tudo isso ainda bem mais triste.

Não?

*****

Pessoal, minhas aulas começam hoje (aaahhhhh!) o que talvez torne um pouco mais difícil eu responder todos os comentários por aqui! Me perdoem? E assim que eu tiver um tempo maior, responderei a TODOS que me enviaram e-mails no Consultório, okay?

Beijão!

Você também pode ler

23 Comments

  1. Bom, preciso falar que eu sou igual você?

    Mas eu sou um pouco mais orgulhosa ..
    Fico diiias sem falar com a pessoa pra ela ver que tô magoada com ela, e que o problema é com ela ..
    Sei lá, eu sou dessas que sempre tenho que ceder pra deixar a relação amena!
    Chega uma que cansa, né!

    Se cuida, amora! =*

  2. Yuji JURA??? De SP??? Qual o sobrenome dele???
    Hahahaah sabe como é, a colônia é um ovo, todo mundo conhece alguém que conhece alguém… *rs!
    Bjooo!

  3. É Tamashirooooo! Mas ele é de Santos! HUAHUAHUAHUAHUAHUHA… E é isso mesmo, em colônia TODO MUNDO SE CONHECE! Uma coisa de louco, nunca vi!

  4. Não faço tanto o estilo mulherzinha de ir pedindo desculpa… mas conheço bem a sensação do estômago borbulhando… aff!

  5. Oi, Éricka, td bem?

    Desculpe a demora pra responder, ando com um certos probleminhas que não fogem do assunto citado por ti.. rs.

    Antigamente carregava o mundo nas costas tbem, pensava que tudo era minha culpa e contestava meus próprios pensamentos, depois que andei tomando a “pílula da felicidade” consegui colocar as coisas em ordens.. rs. É muita coisa na minha cabeça, muita coisa a se pensar, criar, resolver, pagar, compartilhar, fazer…. enfim, essas coisas me deixam doida.

    Obrigada pela visita, e voltarei mais vezes tbem, vou colocar o link do seu blog no meu perfil pra ver suas atualizações já que aqui não tem opção de seguir. 😉

    Um beijo.

  6. Hahahhaha achei ótima essa história de pedir desculpas pq no fundo se acha superior ao ponto de não ter nem que discutir, isso é um fato, principalmente nos homens. Acredito mesmo que é nisso que eles pensam quando acham que nao vale a pena descutir! hahahahahha

    E quanto a espernear pra se fazer notada e quando é, acha que não vleu a pena, pq se teve que fazer isso, não vale mais a pena mesmo, é um fato. Ser notada tem que ser e pronto, tem que partir do outro, sem vc precisar dar uma ajudinha. Pior que a gnt sabe disso e mesmo assim força, aí no final, consegue (mais ou menos) o que quer e mesmo assim acha que não teve importancia. Huahuahuah E essas somos nós, é o que temos e pronto!

  7. Menina… eu sempreeeeeeeee achava isso tb… TUDO CULPA MINHA! mas eu mudei minha mente… sério! Odeio sentimento de culpa, e eu só fico com ele qdo é legítimo… agora eu aprendi a ser responsável por mim, e não pelos outros… os outros que assumam suas responsabilidades, e consequencias de seus atos… tem q melhorar sua mente menina… se não vc vai sucumbir… conte cmg, como amiga, pra te ajudar nisso… se vc precisar, podemos conversar… beijossss e melhoras!

  8. Oi querida!! Adorei o post!!
    Então, eu acho que eu quero mesmo acreditar que somos superiores, mas de certa forma, isso é uma pequena máscara para esconder o que eu penso de verdade. E o que eu penso, de verdade, é que eu tenho medo de às vezes uma coisa boba, uma palavra mal dita, um ato mal interprado, vire uma bola de neve, sabe? E então a outra pessoa cai naquela história de “rever conceitos”, e nessas situações, apenas o lado ruim é lembrado, e de repente que era uma pequena besteira, se transforma em algo enorme. E aí, acho que com medo de acabar tudo por nada, acabo assumindo a culpa de tudo. O problema é que frequentemente as pessoas se acostumam com isso, né? E passam a acreditar q vc foi mesmo a culpada, e que elas NUNCA erram, e que todas as cruzes devem estar, de fato, em cima dos seus ombros.

    Um beijinho e uma ótima volta às aulas na faculdade!!

  9. Olá, passei para conhecer o seu blog!
    Acho muito válido pedir desculpas quando necessário, mas assumir a responsabilidade por tudo tem um outro lado, você pode estar abrindo mão de um ponto de vista seu, que não é contra o outro, é apenas uma forma diferente de ver as coisas, conviver com as diferenças é uma arte.
    Bjs – Vai dar tudo certo!

  10. Olá! Obrigada pela visita em meu blog!
    Impressionante como me vi em muitos posts seus aqui…
    Grande beijo!

  11. Vamos pensar positivo: melhor ser assim do que o contrário. Detesto quem acha que a culpa de tudo é dos outros. Olhar para si é importante, mesmo que a gente exagere um pouquinho…

    Beijo,
    Camila F.

  12. Eu sou exatamente assim, eu visto qualquer carapuça. É ruim, cansa, mas é melhor do que ser daquele tipo avoado, que culpa a vida por tudo e depois não sabe porque as coisas dão errado.
    Isso me lembrou uma DR histórica com um ex. Ele se aproveitou desse meu jeito controlador e resolveu me culpar por tudo, TU-DO. No dia seguinte, eu acordei acabada, falando que o aquecimento global era minha culpa também! Pinguins, Ursos Polares, Morsas e Leões Marinhos…sorry!!!
    adorei o post, beijos!!

  13. to comentando sobre o post novo, é que cliquei no lugar errado…rs

    achei bem bacana seu post, eu mesma adoro roupa justa e curta, mas quando vejo uma mulher assim chamo de piriguete… é uma contradicao absoluta….rssssss

    acho que estou exausta desse mundo que só tem mulher fácil, vc vai ver, quando casar este tipo de mulher vai rodear sua vida…parece que acontece com todas nós quando casamos..rs

    bjos

  14. Concordo em parte, mas acho que as vezes perdoamos certas coisas não por sermos superiores,
    mas pelo fato (automático) de que sabemos que as pessoas não são perfeitas,
    e é possível passar por cima de pequenos erros, evitando maior estresse!
    Beeijos erickinha ;D

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *