quando não queremos melhorar.

Olha, é o seguinte: as pessoas não querem melhorar.

Elas podem, elas até sabem o que fazer para tal, mas sei lá o que acontece, talvez dê preguiça. Talvez seja medo. Talvez aconteçam coisas demais no meio do caminho e fique tudo muito complicado, né? Melhor não.

As pessoas preferem reclamar ad infinitum sobre o quanto são miseráveis, ou feias, ou o quanto odeiam o trabalho, ou que são deorganizadas demais para ______________ (você pode inserir o que quiser aqui) que refletir sobre si mesmas. Há uma dificuldade muito grande de dar o primeiro passo. De aceitar que temos nossa culpa no cartório em relação à própria vida, um vício “x”, uma mania chata ou o simples fato de que às vezes somos auto-destrutivo mesmo – e que isso uma hora precisa acabar.

Há um senso comum muito grande de “aceitar quem a gente é, do jeito que a gente é, mesmo que quem a gente seja hoje faça da gente infeliz”. Não é bem assim. Pra gente aceitar quem a gente é, a gente precisa entender quem  é primeiro – ou quem queremos ser (se não nos identificarmos com a nossa pessoa) e o que precisamos mudar. E que algumas coisas para sermos felizes são fáceis, plausíveis e só dependem da gente, mas que outras, nem tanto. Simples assim.

No meio do caminho certamente teremos problemas de adaptação ao nosso novo eu, mas é preciso ter em mente que toda a mudança é trabalhosa. Faz parte de um processo. Que teremos recaídas, que não vamos nos adaptar tão facilmente porque somos altamente mecânicos nos nossos processos físicos e mentais.

Não adianta aceitar-se como fracassado porque “a vida impôs que fosse assim”. Nada é imposto, aliás. Podemos não ter a doce liberdade de ser quem desejamos ser o tempo inteiro, faz parte, a sociedade às vezes faz isso. Mas podemos escolher outra atitude, outros amigos, um novo trabalho, uma dieta saudável, uma vida mais tranquila. E, voilá, basta fazer.

O caminho costuma ser ruim, é verdade. Mas o destino sempre reserva coisas inacreditáveis. Basta tentar.


Continue Reading

Amor X Medo

O amor é um sentimento que não convive bem com o medo. Não dá pra tentar prender o amor, ensinar o amor ou investigar o amor. Quando em cativeiro, o amor morre, aos pouquinhos, cansa. Para lidar com o amor é preciso lidar, antes de mais nada, com aquilo que se tem de mais feio dentro de si: o ciúme, a inveja, as dores que nunca foram completamente sanadas, os traumas e aquela série de coisas que deixamos de lado e fingimos não estar lá.

Um amor neurótico não suporta nem uma ida ao cinema. Vive desconfiado, ressabiado, encontrando coisas aqui ou ali para se encalhar.

Não dá para o amor reinar onde existe mágoa. É preciso deixar tudo pra trás, ou melhor, esquecer que um dia qualquer houve uma desavença, pisada de bola ou briga feia. E vão existir muitas brigas feias, muitas pisadas de bola, e  falhas “imperdoáveis” dentro de um grande amor. Se tem algo que é inerente ao aprendizado da vida a dois são as séries de erros cometidos a dois. Não tem jeito.

Aliás, para viver um grande amor é preciso parar de atribuir culpas. Porque o amor nunca é meu ou seu, é sempre nosso. E se está ruim, se machucou, falhou ou provocou dor, todo mundo está envolvido. E todo mundo tem sua responsabilidade quanto a isso.

Um grande amor não pode ficar buscando desculpas. Se acabou, você sente. Se está ruim, você sabe. Amores ruins não podem ser adiados, protelados, não podem ser empurrados com a barriga; como bombas relógio, explodem. E espalham estilhaços por todos os cantos.

Tenha a dignidade de terminar um grande, mas medroso amor. Ou ele mesmo dará um jeito de sugar você.

Continue Reading

Recalcada.

Entre todas as maravilhosidades que o funk neurótico fez pelo mundo (não me olhem com essa cara), a melhor delas, sem dúvida, foi ter trazido a palavra RECALQUE pra boca do povo. O recalque, fui pesquisar, é tão complexo para a psicanálise, que não consegui nem colocar em palavras leigas o que Freud queria dizer. Não entendi porra nenhuma, pra falar bem a verdade.

De qualquer maneira, para a massa brasileira, recalque é a mais pura e verdadeira demonstração de inveja – se é que pureza e verdade podem ser utilizadas para expressar tal sentimento. É falar mal da outra (ou do outro) por um puro sentimento de desejo, de estar ocupando o lugar do indivíduo tal, enfim, vocês entenderam. Creio que não era exatamente isso que o pai da psicanálise, queria explicitar quando utilizou tal terminologia, mas enfim, cá estamos, dando novos sentidos pras coisas e deixando a nossa língua muito mais interessante, vamo que vamo.

Todo esse discurso bonito era só pra dizer que: estou recalcadíssima ultimamente, no maior sentido Vaslekiano mesmo. É nega que tá lindíssima com o triplo da minha idade, que casou recentemente numa cerimônia de 30 milhões de reais, nego que tá de bar em bar comendo coxinha sem engordar uma grama e postando foto de balada doida TO-DO-O-DI-A, olha, juro. Minha timeline é o jardim das delícias pras recalcadas. A sua também é? Tem sempre aquela galerinha ganhando fortunas nesse 2015 sinistro de crise, fazendo viagens e mais viagens enquanto eu me bronzeio na tela do notebook mesmo, amigos, escrevendo, desenhando e seguindo a canção. Tá foda.

E você, caro leitor (a) não venha se excluir da onda de recalque que assola a humanidade desde o começo do mundo. Não venha querer me convencer que está resolvidíssima aí, ganhando meio salário mínimo, contando as parcelas da Renner e comendo alface na janta, porque eu sei que não está. OK. Mas VAMOS ENXERGAR O LADO CHEIO DO COPO? Um pouquinho de recalque pode fazer coisas incríveis pela sua vida – se você souber canalizar essa energia para o bem, é lógico.

Para finalmente fechar a boca e perder aquelas dobrinhas que te deixam infeliz. Ou, para aceitá-las e ser melhor que isso. Para juntar dinheiro, planejar esse ou aquele sonho que já se adia há anos por sempre ter “prioridades”. Para mudar o que sempre teve preguiça, ou  lutar por aquilo que almeja. Valeska ensinou, Valeska subiu na vida e hoje samba nas recalcadas. Quer maior case de sucesso que ela?

No mais, keep calm e (desculpa, Valeskinha!) mantenha o recal(quinho), baby. Se está fazendo aquilo que precisa para chegar onde quer, ótimo.

Com certeza, por aí, tem alguém recalcado por você. Basta reinar. 😉


 

Continue Reading

precisamos falar sobre traição.

(para que as pessoas parem de se sentir diminuidas quando vivem isso).

As pessoas traem. Por uma série de motivos.

Poderia falar aqui de caráter, de valores, de predisposição ou de família. Poderia falar horas sobre como a traição é um ato egoísta ou de como somos responsáveis pelo outro quando estamos em um relacionamento – e que simplesmente nos deixamos levar por uma série de fatores que poderiam ser resolvidos a dois, mas, enfim, vou me ater ao óbvio: acontece.

Nas melhores famílias, com as mais tradicionais pessoas. Dói (acredite, para os dois lados), faz a gente perder a fé na humanidade. Mexe com a cabeça, com o bolso, com a lógica. Nos deixa sem chão até quando no fundo a gente já sabia.

Gostaria muito de fazer uma lista de indicativos que revelam quando seu marido/esposa/namorado (a) está enganando você, mas essa lista só existe com base na novela das 20h, porque na vida real não há razões exatas para uma traição, ainda que tenhamos essa tendência de justificar todas as coisas.

Queremos encontrar culpados. Nos culpamos, culpamos o outro, a outra, ficamos putos com o rumo das coisas. Nos vemos obrigados a perdoar e, no minuto seguinte a achar ultrajante qualquer ato misericordioso – a traição nem sempre acaba com o amor. Aliás, quase nunca.

Não, não é sinal de que um relacionamento vai mal, que o sexo está morno ou que a vida mudou com os filhos. Essas coisas fazem parte da vida, da nossa existência e se a gente não cultivar alguns pequenos rituais aqui e ali e estiver desatento ao que os nossos sentimentos se tornam – e que funcionam de forma diferente para cada casal – pode dar bosta. É isso.

Há pessoas que, simplesmente, não nasceram para ser monogâmicas, o que pode servir de consolo (e modo de vida) para muita, muita gente por aí. E há pessoas que cometeram deslizes. Que acabaram encantadas por uma vida que não era a que tinham “em casa”. Que fizeram das suas traições novos relacionamentos ou que se arrependeram profundamente do que fizeram.

Não há como julgar e sempre há muito a se perder, mas faz parte.

Já traí e já devo ter sido traída. Me questionei sobre todas essas coisas muitas vezes e a única conclusão que eu pude chegar é que as pessoas – e os relacionamentos – precisam ser sempre nutridos. Estimulados. Cuidados. Nada é definitivo e só se está com alguém porque se quer estar.

Que cada um valorize o que tem pelo tempo que tiver que durar, porque o poeta tem razão: sempre é eterno enquanto se vive.

 

Continue Reading

da arte de não se importar.

Nunca me preocupei com as (más) interpretações do amor.

Sempre chamei pra sair quem eu queria e disse o que tinha vontade. Nunca me importei em ser tida como louca, carente, apegada ou desesperada. Nunca me preocupei também se seria julgada como vagabunda, piranha, galinha, “dada”, aliás, acho que todos nós podemos ser o que quisermos, quando quisermos e com quem quisermos. Que preguiça tenho de gente que acha que todo o ser humano é uma coisa só, que cabe numa caixinha de definições e previsibilidades entediantes. Se você ainda não errou, vai errar. Se você ainda não teve vontade, vai ter. Se não esteve no lugar que mais julga errado, complicado ou imoral, vai estar. E que pena se você nunca viver um desses papéis. Vai perder um bocado.

Não vim para essa vida à passeio, definitivamente. Se cheguei, se amei, se estou aqui, que seja para dar a cara à tapa. Se o outro se incomodar com essa ou aquela atitude, com essa ou aquela opinião, palavrão, ou resposta ácida, já não me serve. Às vezes, nem para ser amigo. Em pouquíssimos casos minhas atitudes se reverteram em algo desagradável ou desastroso, não sei, na verdade. Meu processo de seleção de pessoas para conviver é bruto, direto, não deixa nada sem pingos nos is.

Acho que alguns seres humanos talvez não estejam preparadas para o sincericídio, não foram treinados para lidar com ele. Viver é coisa forte, cara. Quando você se deparar com a intensidade das relações (e sentimentos, e palavras, e atitudes), e um dia vai ter que lidar com isso, não pode ficar apático. Ou se é, ou não se é. Ou está, ou não está. Quando somos impulsivos, podemos perder muito. Ou fascinarmos quem merece, tornando todo o processo de encantamento e paixão muito mais divertido – e recíproco – ainda que lá pra frente (e quem se importa com lá pra frente?) não dê em nada.

A sedução é direta. Ao menos pra mim, sempre foi.
As conquistas pedem ousadia, pedem um pouco de medo, pedem fôlego.

Se não é para provocar nada no outro, nem comece. Não vai valer a pena. Pode confiar em mim.

Continue Reading

O seu estilo de vida me incomoda (e eu não tenho nada a ver com isso).

Uma amiga veio me falar de outra amiga que tem um estilo de vida totalmente sem raízes. Viaja sem dinheiro nenhum, nunca pensou em comprar um apartamento e tudo o que ganha, gasta. Essa amiga não liga pra carro, não liga pra ter um lugar só dela, não liga se, amanhã, voltar e não tiver nada. Nadinha. Agora mesmo ela vive de seguro desemprego e está arrumando as malas para mais uma viagem de dar inveja aos olhos de quem vê as muitas fotos lindas espalhadas pelo Facebook. Confesso que morro de inveja desse estilo de vida despreocupado, mas, ao mesmo tempo, tenho palpitações em pensar em ter uma conduta 3% semelhante a dela.

Viver traz preocupações com as quais não sei lidar sem nenhum suporte – e, graças a Deus, não fui obrigada a aprender.

Essa minha amiga que contou dessa amiga estava cheia de questionamentos, e pormenores, e análises, e preconceitos. Como todo mundo. E enquanto falávamos sobre isso, percebemos que por mais que a vida dos outros não tenha nada a ver com a nossa e seja “desregrada”, “imoral” ou “bizarra”, com o perdão da palavra, foda-se. A gente nunca sabe onde o outro esteve, ou o que viveu. Não sabe por quais motivos essa pessoa se tornou o que é hoje e não sabe, definitivamente, como vai ser no dia de amanhã.

A vida do outro pode me incomodar à vontade, desde que eu a respeite. E isso se aplica para aquele seu amigo hippie, sua amiga trans, gay, o cara do inglês completamente bitolado religioso, o sujeitinho do Facebook que prega a pena de morte ou a eleição do Malafaia para presidente (ok, fui além, mas vocês entenderam meu ponto de vista).

A vida de cada um é pessoal, intransferível e não tem preço. Faça da sua o que desejar e alegre-se com àquilo que faz o outro feliz. Se você não consegue suportar um maremoto de emoções sem limite, muitos amores, sabores, dores, sexos, não faça. E aprenda com o exemplo alheio.

Ganhamos muito mais quando somos empáticos que críticos e essa é a grande magia desse mundão de meu Deus: as diferenças.

Que bom que tem gente que consegue realizar os sonhos sem se prender a nada. Incluindo aqui, a opinião do vizinho.

Continue Reading

O trabalho, o tesão, a faísca.

Terminei o colégio com a certeza de que havia encontrado minha vocação na vida.

Bem pouco tempo depois, percebi que essa coisa de vocação era muito maior do que apenas encontrar uma profissão — e que circulava por muito mais nuances da minha personalidade das quais eu poderia prever.

Desde aquela época eu já era apaixonada por artes, por letras, já ficava fascinada em entender os humanos, suas necessidades, complexidades, em como as obviedades do nosso cotidiano, que pareciam fruto do acaso, de nada eram ocasionais.

Quando conclui a graduação de Jornalismo, me sentia vazia de lógica. Os livros e referências só ampliaram em mim a necessidade de entender mais sobre as relações humanas e aquele sistema de escrita, de negócio, aquelas regras e estruturas, ensinadas e pregada sem fim, me pareciam entediantes, previsíveis e completamente insuficientes para expressar as tantas muitas coisas que eu queria — mas não sabia entender, ainda.

Tudo fez sentido, eu lembro bem, quando já na minha segunda graduação, em Desenho Industrial, vi uma palestra incrível sobre tendências, da Electrolux. Descobri, ali, que queria ser cool hunter, embora ainda não seja. E que havia nascido com aptidão pra isso, se é que isso de aptidão existe.

O meu negócio era prever o desejo dos outros, despertar esse desejo, planejar coisas para que as pessoas, assim como eu, se tornassem fascinadas por algo — fosse um objeto, uma banda, uma carreira, ou um novo eletrodoméstico — naquele caso.

A vocação é um negócio que transborda de você. Que faz com que cada parte do seu corpo trema com uma nova ideia, com um conceito que tenha relação com o que te interessa. É o que te inspira, te faz sair do lugar comum, pesquisar sem fim coisas que, aparentemente, não tem relação nenhuma e que, no fim das contas, tem tudo a ver.

É aquela banda estranha que só você gosta. A mania de fazer listas. O hábito de escrever cartas. As sutilezas sobre você que você mesmo desconhece (ou desconhecia). É o que não te deixa dormir de excitação. E te faz ter gastrite, morrer de nervoso, de paixão, de tesão.

Demorei algum tempo para encontrar esse tesão no que faço. Demorei, aliás, pra entender que o tesão tem que estar em mim e ser transferido para as demais coisas. Todas elas. E, aos poucos, na rotina, tento fazer com que outras pessoas, aqui e ali, sejam picadas pelo mesmo mosquitinho que eu. E que encontrem nas suas tabelas, imagens, estatísticas, naquilo que fazem mecanicamente, sem nem entender por que, sabe-se-lá, uma faísca. E que também se sintam incendiadas a ser muito mais que um dia imaginaram que poderiam ser.

Sabe, a vida é mesmo incrível quando a gente sabe o que quer. E somos capazes de absolutamente tudo.

Ao menos eu penso assim.

 

Continue Reading

da verdadeira motivação.

Olha só, as pessoas reclamam um bocado.

A vida de todo mundo parece estar uma desgraça generalizada. “Não me sinto motivado”  e “Não tenho uma carreira, tenho uma profissão”, são as críticas/frases mais constantemente encontradas em 10, de cada 15 e-mails que recebo (e que não têm relação direta com relacionamentos amorosos).

O que eu digo para todas essas pessoas e vou dizer agora, aqui, nesse breve post de blog é o seguinte: você é sua motivação. Não importa se você é gerente de uma multinacional, ou empacotador das Casas Bahia. O que você faz é parte de um universo de outras funções, e profissões, e personalidades, e tarefas, e realidades das quais você, mesmo sem conhecer, está inserido.

Não espere um aumento, não espere elogios, não espere um ambiente de trabalho mais acolhedor. Seja a mudança que você quer ser na sua vida, também no sentido prático da coisa. Faça sem questionar tanto. Inove sem temer tanto. Seja sempre mais generoso e cordial com as pessoas que uma determinada situação te forçar a ser. Quando a gente começa a fazer coisas positivas em relação à vida, isso com o tempo se torna automático. Se torna imperativo. Se torna fundamental para uma consciência tranquila.

E vou te falar outra coisinha: é fácil se destacar. É fácil fazer diferente. E você nem precisa de escola ou investimentos para isso.

ENGAJAMENTO é o que mais as empresas procuram, sem saber como procurar. É aquele cara que vai ser o melhor xerocopiador do bairro. Que vai fazer o balanço patrimonial mais bonito que você vai ver na vida. É o que gera, afinal, encantamento. E nos dá tudo o que precisamos em troca.

Achamos que só seremos felizes quando trabalharmos no Google. Quando vestirmos roupa social e estivermos ocupadíssimos, com agendas cheias de gente – e compromissos – tão entediantes quanto uma partida de críquete (desculpa se alguém gostar do esporte, acho chatíssimo).

Se o retorno de um bom trabalho for sempre mais trabalho, o retorno de uma atitude negativa é, sempre, a implicância. NENHUM cenário corporativo/social consegue suportar pessoas que o tempo inteiro estão insatisfeitas. E, sim, o mercado é uma bosta. A vida do trabalhador médio é sofrida pra cacete, mas né, minha gente? Estamos aí pra fazer diferente.

Se liberte da zica. Da uruca. Da coisa ruim.

Não alimente a treta.

Não há banho de sal grosso ou Naldecon Noite que livre um ser humano do ranso em relação à própria vida, do olho do furacão em que se enfiou. E não adianta por a culpa em Deus, nas circunstâncias, no trânsito astrológico de marte, vênus ou no ano de Iemanjá.

Tá pesadão lá no trampo, grande? Faz uma listinha, planeje-se. Coloca um funk melódico no fone de ouvido e tenta fazer diferente.

Depois me conta se ninguém ao seu redor reparou que você saiu daquele buraco de bad vibe em que estava e decidiu se movimentar pra melhor.

Duvido.

Continue Reading

quando só acreditar não adianta.

A conclusão que cheguei nessa vida é que existem dois tipos de pessoas: aquelas que acreditam que as coisas podem dar certo e aquelas que acham que esse lance de acreditar é a maior bulshitagem de comercial de margarina já visto por aí. Desse primeiro grupo, vejo ainda mais uma subdivisão: as que acreditam e fazem alguma coisa pra que a vida mude e aquelas que permanecem na inércia, esperando acontecer. Dessa segunda categoria, percebi que estar na inércia às vezes é involuntário. Nem sempre a gente percebe que quando aponta o dedo na cara do outro o problema, está, na verdade, dentro da gente. Que adoramos ressucitar fantasmas e chutar os cachorros mortos pelo nosso caminho. Que mantemos vivas em nossas vidas algumas coisas que deveríamos deixar pra lá – mesmo que corramos um risco enorme de, talvez, nos magoar novamente.

A arte do desapego e da autoconfiança é ainda mais complicada que a arte de acreditar: você  às vezes quer mudar de caminho, mas não percebe que esse movimento deve partir de você. Fica sondando o outro, questionando o outro, esperando do outro, quando, vamos lá, somos nós os senhores do nosso destino. Ninguém pode te fazer feliz se você continuar ancorado no mar. Se deixe navegar.

Acredito em Deus. Acredito que passamos por determinadas coisas para que cresçamos, sejamos melhores, para que aprendamos com a dor mesmo que não seja fácil. Mas acredito também que PRECISAMOS fazer tudo quanto for possível enquanto é possível. Precisamos fazer por merecer aquele emprego, estudar para aquela prova. Precisamos lutar por aqueles  que amamos no matter what. Precisamos nos esforçar pra superar nossas próprias barreiras o tempo todo; não deixar o ciúme dominar, o pessimismo, a discórdia, a desconfiança. Quanto mais ficamos presos a coisas e pessoas que nos fazem mal, mais mal atraímos pra vida da gente, como um verdadeiro vórtex de coisas ruins.

Sua vida tá ruim, cara? A de todo mundo tá. Seja pelo o amor que não deu, pelo dinheiro que não deu, por aquele sonho que não deu também… Mas ainda vai dar.

E mais importante que pensar no que se foi, no que aconteceu e feriu, no que deu errado e magoou é acreditar naquela parte de ar que ficou na outra metade do copo (pra mim, sempre cheio).

E ela quem vai te fazer respirar.

Continue Reading

sobre a internet e suas chatices.

Olha só, eu amo a internet. Passo horas lendo e produzindo conteúdo para os meus clientes, passo horas tentando entender melhor o que se passa na cabeça dos usuários – e como prever seus possíveis engajamentos e gostos – e  poderia ficar HORAS discutindo acerca do quanto a internet é maravilhosa (e dinâmica), se qualquer pessoa me questionasse sobre isso num ponto de ônibus, na fila do pão ou em um brainstorming na firma. Mas, olha só que coisa louca: estou profundamente de saco cheio da internet (e das pessoas que se acham profundamente conhecedoras sobre ela).

NÃO EXISTE, ao meu ver, profissional nenhum que saiba tudo. De nada, aliás. Se você se diz um mestre em ciências digitais, já está completamente fadado ao fracasso – visto que não se pode conhecer profundamente aquilo que é, e não é,  o tempo todo – ficou esquisito? Algo que muda tão rápido que não pode ser definido, ou analisado em sua totalidade, sei lá, absorvido por completo. O que hoje é hype, amanhã é brega (aliás, hype já se tornou uma palavra brega). O que era tendência semana passada, já passou, cansou, saturou. Já não se faz mais assim, já não é mais essa a fórmula para o sucesso. Aliás, o sucesso, gente, é extremamente relativo quando falamos de internet,de gente, quando falamos dos 8 bilhões de universos (para não dizer trilhões) que existem aqui dentro  da WWW – e a gente tem consciência de no MÁXIMO 10.

Acho ótima essa coisa de todo mundo ter acesso a tudo. Mas acho lástimável todo mundo achar que conhece de tudo. Porque não dá. Se fosse assim, dava pra ser meio médico, meio cientista político e chefe de cozinha nas horas vagas. Né? Num tem como não.

Veja bem, manjo NADA de métricas. Sei o básico. Sei aquilo que é preciso  para fazer uma estratégia simples, para analisar se o que eu faço está fazendo sentido para o público. Sou capaz de dar um retorno em relação ao investimento do cliente de forma superficial. E só. E tá tudo certo. Esse não é meu foco de vida, embora todo e qualquer  conhecimento não ocupe espaço, e sei que preciso profundamente dos caras que são mestres nesse setor. Isso não faz de mim uma profissional menor. Nem de ninguém melhor.

Ser comunicador é saber estar e fazer parte de um time, é ter um cara FERA em programação, outro em design, outro em análise profunda de dados, outro que saiba indexar sua marca maravilhosamente bem no Google, é COMPLEXO PRA DANAR. É humanamente impossível  tratar de Ciências Humanas em sua completude, por mais que todo o comunicador que se preze seja um profundo curioso em relação à tudo.

Nesse contexto, de forma bem resumida e nada teórica, ser blogueiro anda chato pra cacete.  É muito MI MI MI sobre as coisas. Muita gente ruim ganhando uma grana preta por um trabalho medíocre  – ou por um trabalho copiado, pior ainda. Muita empresa grande e confiável investindo nisso. Dá tristeza, dá pena, dá ranso de um setor que tem tudo pra ser magnífico, mas que acaba mal utilizado.

E é isso gente. Por isso não tenho blogado tanto como sempre, tanto como gostaria, tanto como deveria, talvez.

Enquanto eu observo a zueira que se tornou a internet – no sentido não bacana da coisa – continuo pensando em jeitos diferentes de reinventar quase tudo; e fazer as coisas de um modo mais original e interessante pra ver se a coisa engata, se as pessoas se inspiram, se a maré muda.

Por hora, melhor o silêncio. E os posts de desabafo que nos ajudam a recomeçar.

Continue Reading